Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Liturgia diária

fevereiro/2019

  • 6ª feira da 3ª Semana do TC

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Hebreus 10, 32-39

    Irmãos, 32 lembrai-vos dos primeiros dias, quando, apenas iluminados, suportastes longas e dolorosas lutas. 33 Às vezes, éreis apresentados como espetáculo, debaixo de injúrias e tribulações; outras vezes, vos tornáveis solidários dos que assim eram tratados. 34 Com efeito, participastes dos sofrimentos dos prisioneiros e aceitastes com alegria o confisco dos vossos bens, na certeza de possuir uma riqueza melhor e mais durável. 35 Não abandoneis, pois, a vossa coragem, que merece grande recompensa. 36 De fato, precisais de perseverança para cumprir a vontade de Deus e alcançar o que ele prometeu. 37 Porque ainda “bem pouco tempo, e aquele que deve vir, virá e não tardará. 38 O meu justo viverá por causa de sua fidelidade, mas, se esmorecer, não encontrarei mais satisfação nele”. 39 Nós não somos desertores, para a perdição. Somos homens da fé, para a salvação da alma.

    Palavra do Senhor.

    Sl 36(37)

    A salvação de quem é justo vem de Deus!

    Confia no Senhor e faze o bem, / e sobre a terra habitarás em segurança. /
    Coloca no Senhor tua alegria, / e ele dará o que pedir teu coração. – R.

    Deixa aos cuidados do Senhor o teu destino; / confia nele, e com certeza ele agirá. /
    Fará brilhar tua inocência como a luz / e o teu direito como o sol do meio-dia. – R.

    É o Senhor quem firma os passos dos mortais / e dirige o caminhar dos que lhe agradam; /
    mesmo se caem, não irão ficar prostrados, / pois é o Senhor quem os sustenta pela mão. – R.

    A salvação dos piedosos vem de Deus; / ele os protege nos momentos de aflição. /
    O Senhor lhes dá ajuda e os liberta, † defende-os e protege-os contra os ímpios, /
    e os guarda porque nele confiaram. – R.

    Marcos 4,26-34

    Naquele tempo, 26 Jesus disse à multidão: “O reino de Deus é como quando alguém espalha a semente na terra. 27 Ele vai dormir e acorda, noite e dia, e a semente vai germinando e crescendo, mas ele não sabe como isso acontece. 28 A terra, por si mesma, produz o fruto: primeiro aparecem as folhas, depois vem a espiga e, por fim, os grãos que enchem a espiga. 29 Quando as espigas estão maduras, o homem mete logo a foice, porque o tempo da colheita chegou”. 30 E Jesus continuou: “Com que mais poderemos comparar o reino de Deus? Que parábola usaremos para representá-lo? 31 O reino de Deus é como um grão de mostarda, que, ao ser semeado na terra, é a menor de todas as sementes da terra. 32 Quando é semeado, cresce e se torna maior do que todas as hortaliças, e estende ramos tão grandes, que os pássaros do céu podem abrigar-se à sua sombra”. 33 Jesus anunciava a Palavra usando muitas parábolas como estas, conforme eles podiam compreender. 34 E só lhes falava por meio de parábolas, mas, quando estava sozinho com os discípulos, explicava tudo.

    Palavra da Salvação.

    Sementes do Reino

    Mc 4,26-34

    “Jesus anunciava a Palavra usando muitas parábolas como estas, conforme eles podiam compreender.” (Mc 4, 33)

    Vivemos em uma sociedade marcada por um movimento frenético e neurótico, todos querem tudo muito rápido, de imediato, notícias, alimentação, trabalhos, lazer e até mesmo os relacionamentos, somos quase que incapazes de esperar. Mas Jesus, no Evangelho de hoje, convida-nos a viver como o homem do campo, que semeia e espera.

    Na liturgia de hoje são duas as parábolas apresentadas, a primeira nos fala da importância de esperar e confiar, nós lançamos as sementes, mas não temos a capacidade de regular o tempo de seu crescimento. E a segunda compara o Reino de Deus a um grão de mostarda, que muito pequenino é lançado à terra e crescendo torna-se maior que todas as hortaliças.

    Com confiança e paciência lancemos no solo fértil do coração de nossos irmãos e irmãs as sementes de bondade, caridade, justiça, igualdade, enfim as sementes do Reino e o Senhor fará com que elas cresçam e deem frutos à seu tempo.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • Sábado da 3ª Semana do TC

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Festa da Apresentação do Senhor

    Leituras próprias:

    Malaquias 3,1-4 ou  Hebreus 2,14-18

    Leitura da carta aos Hebreus – Irmãos, 14 visto que os filhos têm em comum a carne e o sangue, também Jesus participou da mesma condição, para assim destruir, com a sua morte, aquele que tinha o poder da morte, isto é, o diabo, 15 e libertar os que, por medo da morte, estavam a vida toda sujeitos à escravidão. 16 Pois, afinal, não veio ocupar-se com os anjos, mas com a descendência de Abraão. 17 Por isso, devia fazer-se em tudo semelhante aos irmãos, para se tornar um sumo sacerdote misericordioso e digno de  confiança nas coisas referentes a Deus, a fim de expiar os pecados do povo. 18 Pois, tendo ele próprio sofrido ao ser tentado, é capaz de socorrer os que agora sofrem a tentação.

    Palavra do Senhor.

    Sl 23(24)

    O rei da glória é o Senhor onipotente!

    “Ó portas, levantai vossos frontões! † Elevai-vos bem mais alto, antigas portas, /
    a fim de que o rei da glória possa entrar!” – R.

    Dizei-nos: “Quem é este rei da glória?” † “É o Senhor, o valoroso, o onipotente, /
    o Senhor, o poderoso nas batalhas!” – R.

    “Ó portas, levantai vossos frontões! † Elevai-vos bem mais alto, antigas portas, /
    a fim de que o rei da glória possa entrar!” – R.

    Dizei-nos: “Quem é este rei da glória?” † “O rei da glória é o Senhor onipotente, /
    o rei da glória é o Senhor Deus do universo.” – R.

    Lucas 2,22-40 ou 22-32

    [22 Quando se completaram os dias para a purificação da mãe e do filho, conforme a lei de Moisés, Maria e José levaram Jesus a Jerusalém, a fim de apresentá-lo ao Senhor, 23 conforme está escrito na lei do Senhor: “Todo primogênito do sexo masculino deve ser consagrado ao Senhor”. 24 Foram também oferecer o sacrifício – um par de rolas ou dois pombinhos –, como está ordenado na lei do Senhor. 25 Em Jerusalém havia um homem chamado Simeão, o qual era justo e piedoso e esperava a consolação do povo de Israel. O Espírito Santo estava com ele 26 e lhe havia anunciado que não morreria antes de ver o Messias que vem do Senhor. 27 Movido pelo Espírito, Simeão veio ao templo. Quando os pais trouxeram o menino Jesus para cumprir o que a lei ordenava, 28 Simeão tomou o menino nos braços e bendisse a Deus: 29 “Agora, Senhor, conforme a tua promessa, podes deixar teu servo partir em paz; 30 porque meus olhos viram a tua salvação, 31 que preparaste diante de todos os povos: 32 luz para iluminar as nações e glória do teu povo Israel”.]

    33 O pai e a mãe de Jesus estavam admirados com o que diziam a respeito dele. 34 Simeão os abençoou e disse a Maria, a mãe de Jesus: “Este menino vai ser causa tanto de queda como de reerguimento para muitos em Israel. Ele será um sinal de contradição. 35 Assim serão revelados os pensamentos de muitos corações. Quanto a ti, uma espada te traspassará a alma”. 36 Havia também uma profetisa, chamada Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser. Era de idade muito avançada; quando jovem, tinha sido casada e vivera sete anos com o marido. 37 Depois ficara viúva e agora já estava com oitenta e quatro anos. Não saía do templo, dia e noite servindo a Deus com jejuns e orações. 38 Ana chegou nesse momento e pôs-se a louvar a Deus e a falar do menino a todos os que esperavam a libertação de Jerusalém. 39 Depois de cumprirem tudo, conforme a lei do Senhor, voltaram à Galileia, para Nazaré, sua cidade. 40 O menino crescia e tornava-se forte, cheio de sabedoria; e a graça de Deus estava com ele.

    Palavra da Salvação.

    Ver Jesus presente em nosso próximo

    “O Espírito Santo lhe havia anunciado que não morreria antes de ver o Messias que vem do Senhor.” (Jo 2,26).

    Simeão não morreria sem antes ver o Cristo do Senhor. Se atualizarmos esta questão para os dias de hoje, talvez ficaremos um pouco confusos e pensemos: “Jesus Cristo já veio ao mundo, já se foi, não posso mais vê-lo”. A verdade é que Jesus está no meio de nós e muitas vezes não O vemos.

    Talvez a questão fique ainda um pouco mais complicada, porém quando compreendemos na dimensão de que “onde um ou mais estiver, Eu estarei no meio deles” ou “quem receber uma dessas crianças em meu nome, é a mim que recebe” (Mt 18,5) a questão toma um novo corpo.

    Jesus faz-se presente em todos nós, inclusive naqueles que muitas vezes somos tentados a não querer vê-los, ou seja, olhar, mas não enxergar. Os pobres caídos e jogados pelas calçadas das praças; a mãe pobre, desempregada e sofrida; o vizinho ou a vizinha que sofre de violência doméstica; o engravatado que todos os dias passa tomar um café na padaria da esquina; enfim, todos. Todos são, ou devem ser para nós, o próprio Cristo, que diz: Amai-vos uns aos outros como eu vos amei.

    Estamos vivos, porém mortos quando não vemos Jesus! A vida circunda e perpassa toda nossa rotina e não percebemos. O Reino de Deus já está para nós aqui na terra, portanto, devemos, imprescindivelmente dar continuidade a este Projeto de Salvação. Desejemos ver Jesus, antes que morramos e seja, porém, tarde demais.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 4º domingo do Tempo Comum

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • 2ª Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Jeremias 1,4-5.17-19

    Nos dias de Josias, rei de Judá, 4 foi-me dirigida a palavra do Senhor, dizendo: 5 “Antes de formar-te no ventre materno, eu te conheci; antes de saíres do seio de tua mãe, eu te consagrei e te fiz profeta das nações. 17 Vamos, põe a roupa e o cinto, levanta-te e comunica-lhes tudo que eu te mandar dizer; não tenhas medo, senão eu te farei tremer na presença deles. 18 Com efeito, eu te transformarei hoje numa cidade fortificada, numa coluna de ferro, num muro de bronze contra todo o mundo, frente aos reis de Judá e seus príncipes, aos sacerdotes e ao povo da terra; 19 eles farão guerra contra ti, mas não prevalecerão, porque eu estou contigo para defender-te”, diz o Senhor.

    Palavra do Senhor.

    Sl 70(71)

    Minha boca anunciará, todos os dias, / vossas graças incontáveis, ó Senhor.

    Eu procuro meu refúgio em vós, Senhor: / que eu não seja envergonhado para sempre! /
    Porque sois justo, defendei-me e libertai-me! / Escutai a minha voz, vinde salvar-me! – R.

    Sede uma rocha protetora para mim, / um abrigo bem seguro que me salve! /
    Porque sois a minha força e meu amparo, † o meu refúgio, proteção e segurança! /
    Libertai-me, ó meu Deus, das mãos do ímpio. – R.

    Porque sois, ó Senhor Deus, minha esperança, / em vós confio desde a minha juventude! /
    Sois meu apoio desde antes que eu nascesse, / desde o seio maternal, o meu amparo. – R.

    Minha boca anunciará todos os dias / vossa justiça e vossas graças incontáveis. /
    Vós me ensinastes desde a minha juventude, / e até hoje canto as vossas maravilhas. – R.

    1 Coríntios 12,31-13,13 ou 13,4-13

    [Irmãos,] 31 aspirai aos dons mais elevados. Eu vou ainda mostrar-vos um caminho incomparavelmente superior. 13,1 Se eu falasse todas as línguas, as dos homens e as dos anjos, mas não tivesse caridade, eu seria como um bronze que soa ou um címbalo que retine. 2 Se eu tivesse o dom da profecia, se conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, se tivesse toda a fé, a ponto de transportar montanhas, mas se não tivesse caridade, eu não seria nada. 3 Se eu gastasse todos os meus bens para sustento dos pobres, se entregasse o meu corpo às chamas, mas não tivesse caridade, isso de nada me serviria. [4 A caridade é paciente, é benigna; não é invejosa, não é vaidosa, não se ensoberbece; 5 não faz nada de inconveniente, não é interesseira, não se encoleriza, não guarda rancor; 6 não se alegra com a iniquidade, mas se regozija com a verdade. 7 Suporta tudo, crê tudo, espera tudo, desculpa tudo. 8 A caridade não acabará nunca. As profecias desaparecerão, as línguas cessarão, a ciência desaparecerá. 9 Com efeito, o nosso conhecimento é limitado e a nossa profecia é imperfeita. 10 Mas, quando vier o que é perfeito, desaparecerá o que é imperfeito. 11 Quando eu era criança, falava como criança, pensava como criança, raciocinava como criança. Quando me tornei adulto, rejeitei o que era próprio de criança. 12 Agora nós vemos num espelho, confusamente, mas, então, veremos face a face. Agora, conheço apenas de modo imperfeito, mas, então, conhecerei como sou conhecido. 13 Atualmente permanecem estas três coisas: fé, esperança, caridade. Mas a maior delas é a caridade].

    Palavra do Senhor.

    Lucas 4,21-30

    Naquele tempo, estando Jesus na sinagoga, começou a dizer: 21 “Hoje se cumpriu esta passagem da Escritura que acabastes de ouvir”. 22 Todos davam testemunho a seu respeito, admirados com as palavras cheias de encanto que saíam da sua boca. E diziam: “Não é este o filho de José?” 23 Jesus, porém, disse: “Sem dúvida, vós me repetireis o provérbio: Médico, cura-te a ti mesmo. Faze também aqui, em tua terra, tudo o que ouvimos dizer que fizeste em Cafarnaum”. 24 E acrescentou: “Em verdade eu vos digo que nenhum profeta é bem recebido em sua pátria. 25 De fato, eu vos digo: no tempo do profeta Elias, quando não choveu durante três anos e seis meses e houve grande fome em toda a região, havia muitas viúvas em Israel. 26 No entanto, a nenhuma delas foi enviado Elias, senão a uma viúva que vivia em Sarepta, na Sidônia. 27 E no tempo do profeta Eliseu havia muitos leprosos em Israel. Contudo, nenhum deles foi curado, mas sim Naamã, o sírio”. 28 Quando ouviram essas palavras de Jesus, todos na sinagoga ficaram furiosos. 29 Levantaram-se e o expulsaram da cidade. Levaram-no até o alto do monte sobre o qual a cidade estava construída, com a intenção de lançá-lo no precipício. 30 Jesus, porém, passando pelo meio deles, continuou o seu caminho.

    Palavra da Salvação.

    Os Santos de casa …

    “Hoje se cumpriu esta passagem da Escritura que acabastes de ouvir” (Lc 4,21)

    Neste 4º domingo do Tempo Comum, Jesus nos fala que os planos do Pai só são realizados no coração daqueles que acreditam firmemente.

    Nesta passagem de São Lucas, Jesus está em Nazaré, sua terra natal, um lugar muito familiar e aconchegante, entretanto, o povo desta cidade não consegue ver as maravilhas de Deus em seus meios e por isso desacreditados dizem: “Não é este o filho de José?” (Lc 4,22). Por meio disso, o Senhor os exorta dizendo: “nenhum profeta é bem recebido em sua própria terra.” (Lc 4,23).

    Com esta frase, Jesus nos faz refletir hoje acerca das nossas vocações que por vezes são acobertadas, desconfiadas por termos nosso coração duro e fechado. Nossa atitude de ingratidão, de não escutar acabam levando nossos irmãos aos precipícios da vida e achamos que isso é o certo; pelo contrário, quando nossos atos são de louvor, agradecimento, ação de graças a Deus pelos dons que nos concede, temos as mesma atitude de Cristo que repleto do Espírito Santo diz: “Fui ungido para anunciar a Boa-Nova aos pobres … (Cf. Lc 4,18-19); e assim se cumprirá em nossas comunidades mais vocações a serviço do Reino de Deus.

    Paz e Bem!

    Reflexão feita pelos noviços

  • 2ª feira da 4ª Semana do TC

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Hebreus 11,32-40

    Irmãos, 32 que mais devo dizer? Não teria tempo de falar mais sobre Gedeão, Barac, Sansão, Jefté, Davi, Samuel e os profetas. 33 Estes, pela fé, conquistaram reinos, praticaram a justiça, foram contemplados com promessas, amordaçaram a boca dos leões, 34 extinguiram o poder do fogo, escaparam do fio da espada, recobraram saúde na doença, mostraram-se valentes na guerra, repeliram os exércitos estrangeiros. 35 Mulheres reencontraram os seus mortos pela ressurreição. Outros foram esquartejados ou recusaram o resgate, para chegar a uma ressurreição melhor. 36 Outros ainda sofreram a provação dos escárnios, experimentaram o açoite, as correntes, as prisões. 37 Foram apedrejados, foram serrados ou morreram a golpes de espada. Levaram vida errante, vestidos com pele de carneiro ou pelos de cabra; oprimidos e atribulados, sofreram privações. 38 Eles, de quem o mundo não era digno, erravam pelos desertos e pelas montanhas, pelas grutas e cavernas da terra. 39 E, no entanto, todos eles, se bem que pela fé tenham recebido um bom testemunho, apesar disso não obtiveram a realização da promessa. 40 Pois Deus estava prevendo, para nós, algo melhor. Por isso não convinha que eles chegassem à plena realização sem nós.

    Palavra do Senhor.

    Sl 30(31)

    Fortalecei os corações, / vós que ao Senhor vos confiais!

    Como é grande, ó Senhor, vossa bondade, / que reservastes para aqueles que vos temem! /
    Para aqueles que em vós se refugiam, / mostrando, assim, o vosso amor perante os homens. – R.

    Na proteção de vossa face os defendeis, / bem longe das intrigas dos mortais. / No interior de vossa tenda os escondeis, /
    protegendo-os contra as línguas maldizentes. – R.

    Seja bendito o Senhor Deus, que me mostrou / seu grande amor numa cidade protegida! – R.

    Eu que dizia quando estava perturbado: / “Fui expulso da presença do Senhor!” / Vejo agora que ouvistes minha súplica /
    quando a vós eu elevei o meu clamor. – R.

    Amai o Senhor Deus, seus santos todos, † ele guarda com carinho seus fiéis, / mas pune os orgulhosos com rigor. – R.

    Marcos 5,1-20

    Naquele tempo, 1 Jesus e seus discípulos chegaram à outra margem do mar, na região dos gerasenos. 2 Logo que saiu da barca, um homem possuído por um espírito impuro, saindo de um cemitério, foi ao seu encontro. 3 Esse homem morava no meio dos túmulos e ninguém conseguia amarrá-lo, nem mesmo com correntes. 4 Muitas vezes tinha sido amarrado com algemas e correntes, mas ele arrebentava as correntes e quebrava as algemas. E ninguém era capaz de dominá-lo. 5 Dia e noite ele vagava entre os túmulos e pelos montes, gritando e ferindo-se com pedras. 6 Vendo Jesus de longe, o endemoninhado correu, caiu de joelhos diante dele 7 e gritou bem alto: “Que tens a ver comigo, Jesus, Filho do Deus altíssimo? Eu te conjuro por Deus, não me atormentes!” 8 Com efeito, Jesus lhe dizia: “Espírito impuro, sai desse homem!” 9 Então Jesus perguntou: “Qual é o teu nome?” O homem respondeu: “Meu nome é Legião, porque somos muitos”. 10 E pedia com insistência que Jesus não o expulsasse da região. 11 Havia aí perto uma grande manada de porcos, pastando na montanha. 12 O espírito impuro suplicou então: “Manda-nos para os porcos, para que entremos neles”. 13 Jesus permitiu. Os espíritos impuros saíram do homem e entraram nos porcos. E toda a manada – mais ou menos uns dois mil porcos – atirou-se monte abaixo para dentro do mar, onde se afogou. 14 Os homens que guardavam os porcos saíram correndo e espalharam a notícia na cidade e nos campos. E as pessoas foram ver o que havia acontecido. 15 Elas foram até Jesus e viram o endemoninhado sentado, vestido e no seu perfeito juízo, aquele mesmo que antes estava possuído pela Legião. E ficaram com medo. 16 Os que tinham presenciado o fato explicaram-lhes o que havia acontecido com o endemoninhado e com os porcos. 17 Então começaram a pedir que Jesus fosse embora da região deles. 18 Enquanto Jesus entrava de novo na barca, o homem que tinha sido endemoninhado pediu-lhe que o deixasse ficar com ele. 19 Jesus, porém, não permitiu. Entretanto, lhe disse: “Vai para casa, para junto dos teus, e anuncia-lhes tudo o que o Senhor, em sua misericórdia, fez por ti”. 20 Então o homem foi embora e começou a pregar na Decápole tudo o que Jesus tinha feito por ele. E todos ficavam admirados.

    Palavra da Salvação.

    O Caminho da Libertação

    “Vai para casa, para junto dos teus, e anuncia-lhes tudo o que o Senhor, em sua misericórdia, fez por ti” (Mc 5,19)

    Todos nós temos as nossas dificuldades, temos problemas que de todas as formas tentamos resolver ou alguns que parecem não ter uma solução aparente. Diante destas situações, somos tomados por um sentimento de impotência, tristeza, angústia, falta de esperança. Muitas vezes só nós sabemos o quanto dói.

    No Evangelho de hoje, Jesus se mostra como o único que de fato consegue nos ajudar, Ele nos conhece e sabe o quanto nossa vida possui desafios. Jesus é o único caminho de libertação. Ele, em hipótese alguma, deixa-nos sozinhos, sempre está ao nosso lado.

    Que possamos, iluminados por essa Palavra, não temer os desafios, mas que tenhamos coragem. Estamos com Cristo que nos liberta. Que superemos assim nossos travamentos e possamos, revigorados por essa certeza, anunciar aos irmãos o Amor Misericordioso de Deus.

    Paz e Bem!

    Reflexão feita pelos noviços

  • 3ª feira da 4ª Semana do TC

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Hebreus 12,1-4

    Irmãos, 1 rodeados como estamos por tamanha multidão de testemunhas, deixemos de lado o que nos pesa e o pecado que nos envolve. Empenhemo-nos com perseverança no combate que nos é proposto, 2 com os olhos fixos em Jesus, que em nós começa e completa a obra da fé. Em vista da alegria que lhe foi proposta, suportou a cruz, não se importando com a infâmia, e assentou-se à direita do trono de Deus. 3 Pensai, pois, naquele que enfrentou uma tal oposição por parte dos pecadores, para que não vos deixeis abater pelo desânimo. 4 Vós ainda não resististes até o sangue na vossa luta contra o pecado.

    Palavra do Senhor.

    Todos aqueles que vos buscam / hão de louvar-vos, ó Senhor.

    Sois meu louvor em meio à grande assembleia; / cumpro meus votos ante aqueles que vos temem! /
    Vossos pobres vão comer e saciar-se, † e os que procuram o Senhor o louvarão; / “Seus corações tenham a vida para sempre!” – R.

    Lembrem-se disso os confins de toda a terra, / para que voltem ao Senhor e se convertam, /
    e se prostrem, adorando, diante dele / todos os povos e as famílias das nações. / Somente a ele adorarão os poderosos, /
    e os que voltam para o pó o louvarão. – R.

    Para ele há de viver a minha alma, / toda a minha descendência há de servi-lo; / às futuras gerações anunciará /
    o poder e a justiça do Senhor; / ao povo novo que há de vir, ela dirá: / “Eis a obra que o Senhor realizou!” – R.

    Marcos 5,21-43

    Naquele tempo, 21 Jesus atravessou de novo, numa barca, para a outra margem. Uma numerosa multidão se reuniu junto dele, e Jesus ficou na praia. 22 Aproximou-se, então, um dos chefes da sinagoga, chamado Jairo. Quando viu Jesus, caiu a seus pés 23 e pediu com insistência: “Minha filhinha está nas últimas. Vem e põe as mãos sobre ela, para que ela sare e viva!” 24 Jesus então o acompanhou. Uma numerosa multidão o seguia e o comprimia. 25 Ora, achava-se ali uma mulher que, há doze anos, estava com uma hemorragia; 26 tinha sofrido nas mãos de muitos médicos, gastou tudo o que possuía e, em vez de melhorar, piorava cada vez mais. 27 Tendo ouvido falar de Jesus, aproximou-se dele por detrás, no meio da multidão, e tocou na sua roupa. 28 Ela pensava: “Se eu ao menos tocar na roupa dele, ficarei curada”. 29 A hemorragia parou imediatamente, e a mulher sentiu dentro de si que estava curada da doença. 30 Jesus logo percebeu que uma força tinha saído dele. E, voltando-se no meio da multidão, perguntou: “Quem tocou na minha roupa?” 31 Os discípulos disseram: “Estás vendo a multidão que te comprime e ainda perguntas: ‘Quem me tocou?’” 32 Ele, porém, olhava ao redor para ver quem havia feito aquilo. 33 A mulher, cheia de medo e tremendo, percebendo o que lhe havia acontecido, veio e caiu aos pés de Jesus e contou-lhe toda a verdade. 34 Ele lhe disse: “Filha, a tua fé te curou. Vai em paz e fica curada dessa doença”. 35 Ele estava ainda falando quando chegaram alguns da casa do chefe da sinagoga e disseram a Jairo: “Tua filha morreu. Por que ainda incomodar o mestre?” 36 Jesus ouviu a notícia e disse ao chefe da sinagoga: “Não tenhas medo. Basta ter fé!” 37 E não deixou que ninguém o acompanhasse, a não ser Pedro, Tiago e seu irmão João. 38 Quando chegaram à casa do chefe da sinagoga, Jesus viu a confusão e como estavam chorando e gritando. 39 Então, ele entrou e disse: “Por que essa confusão e esse choro? A criança não morreu, mas está dormindo”. 40 Começaram então a caçoar dele. Mas ele mandou que todos saíssem, menos o pai e a mãe da menina e os três discípulos que o acompanhavam. Depois entraram no quarto onde estava a criança. 41 Jesus pegou na mão da menina e disse: “Talitá cum” – que quer dizer “menina, levanta-te!” 42 Ela levantou-se imediatamente e começou a andar, pois tinha doze anos. E todos ficaram admirados. 43 Ele recomendou com insistência que ninguém ficasse sabendo daquilo. E mandou dar de comer à menina.

    Palavra da Salvação.

    É preciso ter fé

    “Filha, a tua fé te curou” (Mc 5,21-43)

    A Leitura do Evangelho mostra-nos dois exemplos de fé: a mulher que toca no manto de Jesus e a filha de Jairo. Trazendo um pouco para a realidade de hoje, a fé precisa estar presente em nossa vida e na rotina que nos rodeia. Deus oferece a graça, mas depende de cada um buscar a graça em Deus. Agradecer também é importante, pois só lembramos de Deus nas horas das dificuldades.

    A fé é o instrumento principal para iluminar o coração do homem. Quem vive uma profunda fé em Deus consegue caminhar e viver de bem com os irmãos, consigo mesmo e com Deus.

    Que a leitura da Palavra deste dia possa tocar nosso coração, a fim de acolher a graça de Deus, como fez a mulher que tocou o manto de Jesus. Ela acreditou e ficou curada. Que nós também possamos alcançar a graça que o Senhor nos oferece.

    Paz e bem!

    Reflexão feita pelos noviços

  • 4ª feira da 4ª Semana do TC

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Hebreus 12,4-7.11-15

    Irmãos, 4 vós ainda não resististes até o sangue na vossa luta contra o pecado 5 e já esquecestes as palavras de encorajamento que vos foram dirigidas como a filhos: “Meu filho, não desprezes a educação do Senhor, não desanimes quando ele te repreende; 6 pois o Senhor corrige a quem ele ama e castiga a quem aceita como filho”. 7 É para a vossa educação que sofreis, e é como filhos que Deus vos trata. Pois qual é o filho a quem o pai não corrige? 11 No momento mesmo, nenhuma correção parece alegrar, mas causa dor. Depois, porém, produz um fruto de paz e de justiça para aqueles que nela foram exercitados. 12 Portanto, “firmai as mãos cansadas e os joelhos enfraquecidos; 13 acertai os passos dos vossos pés”, para que não se extravie o que é manco, mas antes seja curado. 14 Procurai a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor; 15 cuidai para que ninguém abandone a graça de Deus. Que nenhuma raiz venenosa cresça no meio de vós, tumultuando e contaminando a comunidade.

    Palavra do Senhor.

    Sl 102(103)

    O amor do Senhor por quem o respeita / é de sempre e para sempre.

    Bendize, ó minha alma, ao Senhor, / e todo o meu ser, seu santo nome! / Bendize, ó minha alma, ao Senhor, / não te esqueças de nenhum de seus favores! – R.

    Como um pai se compadece de seus filhos, / o Senhor tem compaixão dos que o temem. / Porque sabe de que barro somos feitos / e se lembra que apenas somos pó. – R.

    Mas o amor do Senhor Deus por quem o teme / é de sempre e perdura para sempre; / e também sua justiça se estende † por gerações, até os filhos de seus filhos, / aos que guardam fielmente sua aliança. – R.

    Marcos 6,1-6

    Naquele tempo, 1 Jesus foi a Nazaré, sua terra, e seus discípulos o acompanharam. 2 Quando chegou o sábado, começou a ensinar na sinagoga. Muitos que o escutavam ficavam admirados e diziam: “De onde recebeu ele tudo isso? Como conseguiu tanta sabedoria? E esses grandes milagres que são realizados por suas mãos? 3 Este homem não é o carpinteiro, filho de Maria e irmão de Tiago, de Joset, de Judas e de Simão? Suas irmãs não moram aqui conosco?” E ficaram escandalizados por causa dele. 4 Jesus lhes dizia: “Um profeta só não é estimado em sua pátria, entre seus parentes e familiares”. 5 E ali não pôde fazer milagre algum. Apenas curou alguns doentes, impondo-lhes as mãos. 6 E admirou-se com a falta de fé deles. Jesus percorria os povoados das redondezas, ensinando.

    Palavra da Salvação.

    Dar testemunho de Jesus

    Mc 6, 1-6

    “De onde recebeu ele tudo isso? Como conseguiu tanta sabedoria?”. (Mc 6, 2)

    O ensinamento de Jesus causa admiração… Lendo esta passagem, podemos acertadamente trazê-la para nossa realidade. Em meio a uma sociedade capitalista e com raízes superficiais na fé, causa-nos escândalos e não raras vezes, vergonha de falar sobre um Deus tão humilde. Jesus ainda é rejeitado, porque perdidos em uma fé de preceitos, desprezamos muitas vezes o conhecimento do coração de Jesus, mas desejamos estar próximos de um Deus pobre.

    Jesus nos ensina a mais bela lição de humildade nesse evangelho e nos convida a ouvi-lo e admirá-lo, levando também sua mensagem de simplicidade aonde formos. Convida-nos a sermos suas testemunhas na sociedade, como os mártires que fazemos memória hoje, São Paulo Miki e companheiros, vivendo com profundidade a fé que professamos cada vez que vamos à missa. Para o seguidor de Jesus, não há medo, mas verdade! O que de bom posso fazer para esse Jesus a qual tanto amo? Qual meu gesto concreto hoje?

    Jesus nos espera no outro e chama-nos a adentrar na simplicidade do seu coração.  Tenhamos coragem de nos entregar e que Ele nos ajude nesta caminhada!

    Paz e bem.

    Reflexão feita pelos noviços

  • 5ª feira da 4ª Semana do TC

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Hebreus 12,18-19.21-24

    Irmãos, 18 vós não vos aproximastes de uma realidade palpável: “fogo ardente e escuridão, trevas e tempestade, 19 som da trombeta e voz poderosa”, que os ouvintes suplicaram não continuasse. 21 Eles ficaram tão espantados com esse espetáculo, que Moisés disse: “Estou apavorado e com medo”. 22 Mas vós vos aproximastes do monte Sião e da cidade do Deus vivo, a Jerusalém celeste; da reunião festiva de milhões de anjos; 23 da assembleia dos primogênitos, cujos nomes estão escritos nos céus; de Deus, o juiz de todos; dos espíritos dos justos, que chegaram à perfeição; 24 de Jesus, mediador da nova aliança, e da aspersão do sangue mais eloquente que o de Abel.

    Palavra do Senhor.

    Sl 47(48)

    Recordamos, ó Senhor, vossa bondade / em meio ao vosso templo.

    Grande é o Senhor e muito digno de louvores / na cidade onde ele mora; /
    seu monte santo, esta colina encantadora / é a alegria do universo. – R.

    Monte Sião, no extremo norte situado, / és a mansão do grande rei! /
    Deus revelou-se em suas fortes cidadelas / um refúgio poderoso. – R.

    Como ouvimos dos antigos, contemplamos: / Deus habita esta cidade, /
    a cidade do Senhor onipotente; / que ele a guarde eternamente! – R.

    Recordamos, Senhor Deus, vossa bondade / em meio ao vosso templo; /
    com vosso nome vai também vosso louvor / aos confins de toda a terra. – R.

    Marcos 6,7-13

    Naquele tempo, 7 Jesus chamou os doze e começou a enviá-los dois a dois, dando-lhes poder sobre os espíritos impuros. 8 Recomendou-lhes que não levassem nada para o caminho, a não ser um cajado; nem pão, nem sacola, nem dinheiro na cintura. 9 Mandou que andassem de sandálias e que não levassem duas túnicas. 10 E Jesus disse ainda: “Quando entrardes numa casa, ficai ali até vossa partida. 11 Se em algum lugar não vos receberem nem quiserem vos escutar, quando sairdes, sacudi a poeira dos pés como testemunho contra eles!” 12 Então os doze partiram e pregaram que todos se convertessem. 13 Expulsavam muitos demônios e curavam numerosos doentes, ungindo-os com óleo.

    Palavra da Salvação.

    Não desanimar diante dos obstáculos

    Mc 6, 7-13 

    “Jesus chamou os doze e começou a enviá-los dois a dois” (Mc 6, 7)

    Quando fomos batizados, o Senhor nos escolheu para formarmos seu povo novo renascido pela graça. Quando fomos crismados, Deus nos enviou, pois nos consagrou ao seu serviço.

    A narração do envio dos apóstolos “dois a dois” é também do nosso. Somos enviados pelo próprio Senhor a evangelizar, isto é, espalhar a boa notícia da salvação a todas as pessoas.

    Isso a um primeiro olhar pode parecer superficial e fácil de fazer, mas não é! Jesus conta conosco em todas as situações da vida: no ônibus, no trabalho, na faculdade, no colégio, em nossas relações, enfim, todos os lugares em que estamos.

    Não é difícil enfrentamos incompreensões, aborrecimentos entre outras coisas que podem nos desanimar. No entanto, devemos sempre lembrar que a missão de Jesus culminou numa cruz e não no conforto. A nossa vida também deve culminar na cruz, pois sem ela não há ressurreição!

    Paz e bem.

    Reflexão feita pelos noviços

  • 6ª feira da 4ª Semana do TC

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Hebreus 13,1-8

    Irmãos, 1 perseverai no amor fraterno. 2 Não esqueçais a hospitalidade, pois, graças a ela, alguns hospedaram anjos sem o perceber. 3 Lembrai-vos dos prisioneiros, como se estivésseis presos com eles, e dos que são maltratados, pois também vós tendes um corpo! 4 O matrimônio seja honrado por todos e o leito conjugal, sem mancha, porque Deus julgará os imorais e adúlteros. 5 Que o amor ao dinheiro não inspire a vossa conduta. Contentai-vos com o que tendes, porque ele próprio disse: “Eu nunca te deixarei, jamais te abandonarei”. 6 De modo que podemos dizer com ousadia: “O Senhor é meu auxílio, jamais temerei; que poderá fazer-me o homem?” 7 Lembrai-vos de vossos dirigentes, que vos pregaram a palavra de Deus, e, considerando o fim de sua vida, imitai-lhes a fé. 8 Jesus Cristo é o mesmo, ontem e hoje e por toda a eternidade.

    Palavra do Senhor.

    Sl 26(27)

    O Senhor é minha luz e salvação!

    O Senhor é minha luz e salvação; / de quem eu terei medo? /
    O Senhor é a proteção da minha vida; / perante quem eu tremerei? – R.

    Se contra mim um exército se armar, / não temerá meu coração; /
    se contra mim uma batalha estourar, / mesmo assim confiarei. – R.

    Pois um abrigo me dará sob o seu teto / nos dias da desgraça; /
    no interior de sua tenda há de esconder-me / e proteger-me sobre a rocha. – R.

    Senhor, é vossa face que eu procuro; / não me escondais a vossa face! /
    Não afasteis em vossa ira o vosso servo, † sois vós o meu auxílio! / Não me esqueçais nem me deixeis abandonado. – R.

    Marcos 6,14-29

    Naquele tempo, 14 o rei Herodes ouviu falar de Jesus, cujo nome se tinha tornado muito conhecido. Alguns diziam: “João Batista ressuscitou dos mortos. Por isso os poderes agem nesse homem”. 15 Outros diziam: “É Elias”. Outros ainda diziam: “É um profeta como um dos profetas”. 16 Ouvindo isso, Herodes disse: “Ele é João Batista. Eu mandei cortar a cabeça dele, mas ele ressuscitou!” 17 Herodes tinha mandado prender João e colocá-lo acorrentado na prisão. Fez isso por causa de Herodíades, mulher do seu irmão Filipe, com quem se tinha casado. 18 João dizia a Herodes: “Não te é permitido ficar com a mulher do teu irmão”. 19 Por isso Herodíades o odiava e queria matá-lo, mas não podia. 20 Com efeito, Herodes tinha medo de João, pois sabia que ele era justo e santo, e por isso o protegia. Gostava de ouvi-lo, embora ficasse embaraçado quando o escutava. 21 Finalmente, chegou o dia oportuno. Era o aniversário de Herodes, e ele fez um grande banquete para os grandes da corte, os oficiais e os cidadãos importantes da Galileia. 22 A filha de Herodíades entrou e dançou, agradando a Herodes e seus convidados. Então o rei disse à moça: “Pede-me o que quiseres e eu to darei”. 23 E lhe jurou, dizendo: “Eu te darei qualquer coisa que me pedires, ainda que seja a metade do meu reino”. 24 Ela saiu e perguntou à mãe: “O que vou pedir?” A mãe respondeu: “A cabeça de João Batista”. 25 E, voltando depressa para junto do rei, pediu: “Quero que me dês agora, num prato, a cabeça de João Batista”. 26 O rei ficou muito triste, mas não pôde recusar. Ele tinha feito o juramento diante dos convidados. 27 Imediatamente, o rei mandou que um soldado fosse buscar a cabeça de João. O soldado saiu, degolou-o na prisão, 28 trouxe a cabeça num prato e a deu à moça. Ela a entregou à sua mãe. 29 Ao saberem disso, os discípulos de João foram lá, levaram o cadáver e o sepultaram.

    Palavra da Salvação.

    Usar a sabedoria para o bem

    Mc 6, 14-29

    “Pede-me o que quiseres e eu to darei” (6,22-23)

    Herodes repetia: é João, a quem mandei decapitar. Ele ressuscitou! (Mc 6,14). Pois o próprio Herodes mandara prender João e acorrentá-lo no cárcere.

    O Evangelho de hoje nos dá alguns recados muito importantes para o nosso dia a dia. Sempre existirão dias favoráveis em nossa vida; precisamos de sabedoria para usá-los para o bem. Não nos deixemos levar pelas aparências e satisfações levianas, pois elas podem ser uma dança.

    Antes de falarmos ou prometermos alguma coisa a alguém, pensemos nas consequências que poderão advir disso. Não transfiramos para aos outros as nossas decisões, pois elas devem refletir, única e exclusivamente, nossa responsabilidade e nosso querer responsável.

    Contudo, como já foi referido, é de extrema importância ter responsabilidade e saber analisar as propostas e promessas às quais pretendemos fazer, pois quando não discernidas com profundo rigor, poderá levar à decepção de nós mesmos e dos outros, assim como aconteceu com Herodes.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • Sábado da 4ª Semana do TC

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Hebreus 13,15-17.20-21

    Irmãos, 15 por meio de Jesus, ofereçamos a Deus um perene sacrifício de louvor, isto é, o fruto dos lábios que celebram o seu nome. 16 Não vos esqueçais das boas ações e da comunhão, pois esses são os sacrifícios que agradam a Deus. 17 Obedecei aos vossos líderes e segui suas orientações, porque eles cuidam de vós como quem há de prestar contas. Que possam fazê-lo com alegria e não com queixas, que não seriam coisa boa para vós. 20 O Deus da paz, que fez subir dentre os mortos aquele que se tornou, pelo sangue de uma aliança eterna, o grande pastor das ovelhas, nosso Senhor Jesus, 21 vos torne aptos a todo bem, para fazerdes a sua vontade; que ele realize em nós o que lhe é agradável, por Jesus Cristo, ao qual seja dada a glória pelos séculos dos séculos. Amém!

    Palavra do Senhor.

    Sl 22(23)

    O Senhor é o pastor que me conduz, / não me falta coisa alguma.

    O Senhor é o pastor que me conduz; / não me falta coisa alguma. /
    Pelos prados e campinas verdejantes / ele me leva a descansar. /
    Para as águas repousantes me encaminha / e restaura as minhas forças. – R.

    Ele me guia no caminho mais seguro, / pela honra do seu nome. /
    Mesmo que eu passe pelo vale tenebroso, / nenhum mal eu temerei. /
    Estais comigo com bastão e com cajado, / eles me dão a segurança! – R.

    Preparais à minha frente uma mesa, / bem à vista do inimigo; /
    com óleo vós ungis minha cabeça, / e o meu cálice transborda. – R.

    Felicidade e todo bem hão de seguir-me / por toda a minha vida; /
    e na casa do Senhor habitarei / pelos tempos infinitos. – R.

    Marcos 6,30-34

    Naquele tempo, 30 os apóstolos reuniram-se com Jesus e contaram tudo o que haviam feito e ensinado. 31 Ele lhes disse: “Vinde sozinhos para um lugar deserto e descansai um pouco”. Havia, de fato, tanta gente chegando e saindo, que não tinham tempo nem para comer. 32 Então foram sozinhos, de barco, para um lugar deserto e afastado. 33 Muitos os viram partir e reconheceram que eram eles. Saindo de todas as cidades, correram a pé e chegaram lá antes deles. 34 Ao desembarcar, Jesus viu uma numerosa multidão e teve compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor. Começou, pois, a ensinar-lhes muitas coisas.

    Palavra da Salvação.

    O tempo certo da missão

    Mc 6,30-34

    “Vinde sozinhos para um lugar deserto e descansai um pouco”. (Mc 6,31)

    Hoje o evangelho nos ensina que é necessário termos o tempo certo para a evangelização e o tempo para descansar, para renovar as energias. Jesus sabia que seus discípulos haviam feito um bom trabalho junto ao povo de Deus e os convidou a entrar na barca.

    Jesus queria que eles se deixassem ensinar e conduzir um pouco, para estarem preparados para a missão. Ao saírem “reabastecidos” pelos ensinamentos do Mestre, os discípulos viram a grande multidão que tinha sede de Deus e que manifestou a compaixão de Jesus.

    Devemos fazer o mesmo, nos reabastecer com a Palavra e os ensinamentos confortadores de Jesus Cristo, para podermos ser instrumentos da Paz e do Bem na construção do Reino, junto às pessoas sedentas deste contato com Deus.

    Paz e bem!

    Reflexão feita pelos noviços

  • 5º domingo do Tempo Comum

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • 2ª Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Isaías 6,1-8

    1 No ano da morte do rei Ozias, vi o Senhor sentado num trono de grande altura; o seu manto estendia-se pelo templo. 2 Havia serafins de pé a seu lado; cada um tinha seis asas. 3 Eles exclamavam uns para os outros: “Santo, santo, santo é o Senhor dos exércitos; toda a terra está repleta de sua glória”. 4 Ao clamor dessas vozes, começaram a tremer as portas em seus gonzos, e o templo encheu-se de fumaça. 5 Disse eu então: “Ai de mim, estou perdido! Sou apenas um homem de lábios impuros, mas eu vi com meus olhos o rei, o Senhor dos exércitos”. 6 Nisso, um dos serafins voou para mim, tendo na mão uma brasa, que retirara do altar com uma tenaz, 7 e tocou minha boca, dizendo: “Assim que isto tocou teus lábios, desapareceu tua culpa, e teu pecado está perdoado”. 8 Ouvi a voz do Senhor que dizia: “Quem enviarei? Quem irá por nós?” Eu respondi: “Aqui estou! Envia-me”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 137(138)

    Vou cantar-vos ante os anjos, ó Senhor, / e ante o vosso templo vou prostrar-me.

    Ó Senhor, de coração eu vos dou graças, / porque ouvistes as palavras dos meus lábios! /
    Perante os vossos anjos vou cantar-vos / e ante o vosso templo vou prostrar-me. – R.

    Eu agradeço vosso amor, vossa verdade, / porque fizestes muito mais que prometestes; /
    naquele dia em que gritei, vós me escutastes / e aumentastes o vigor da minha alma. – R.

    Os reis de toda a terra hão de louvar-vos / quando ouvirem, ó Senhor, vossa promessa. /
    Hão de cantar vossos caminhos e dirão: / “Como a glória do Senhor é grandiosa!” – R.

    Estendereis o vosso braço em meu auxílio / e havereis de me salvar com vossa destra. /
    Completai em mim a obra começada; / ó Senhor, vossa bondade é para sempre! /
    Eu vos peço: não deixeis inacabada / esta obra que fizeram vossas mãos! – R.

    1 Coríntios 15,1-11 ou 3-8.11

    1 Quero lembrar-vos, [irmãos], o evangelho que vos preguei e que recebestes, e no qual estais firmes. 2 Por ele sois salvos, se o estais guardando tal qual ele vos foi pregado por mim. De outro modo, teríeis abraçado a fé em vão. 3 Com efeito, [transmiti-vos em primeiro lugar aquilo que eu mesmo tinha recebido; a saber: que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras; 4 que foi sepultado; que, ao terceiro dia, ressuscitou, segundo as Escrituras; 5 e que apareceu a Cefas e depois aos doze. 6 Mais tarde, apareceu a mais de quinhentos irmãos, de uma vez. Destes, a maioria ainda vive e alguns já morreram. 7 Depois, apareceu a Tiago e depois apareceu aos apóstolos todos juntos. 8 Por último, apareceu também a mim, como a um abortivo]. 9 Na verdade, eu sou o menor dos apóstolos, nem mereço o nome de apóstolo, porque persegui a Igreja de Deus. 10 É pela graça de Deus que eu sou o que sou. Sua graça para comigo não foi estéril: a prova é que tenho trabalhado mais do que os outros apóstolos – não propriamente eu, mas a graça de Deus comigo. [11 É isso, em resumo, o que eu e eles temos pregado e é isso o que crestes].

    Palavra do Senhor.

    Lucas 5,1-11

    Naquele tempo, 1 Jesus estava na margem do lago de Genesaré, e a multidão apertava-se ao seu redor para ouvir a palavra de Deus. 2 Jesus viu duas barcas paradas na margem do lago. Os pescadores haviam desembarcado e lavavam as redes. 3 Subindo numa das barcas, que era de Simão, pediu que se afastasse um pouco da margem. Depois, sentou-se e, da barca, ensinava as multidões. 4 Quando acabou de falar, disse a Simão: “Avança para águas mais profundas e lançai vossas redes para a pesca”. 5 Simão respondeu: “Mestre, nós trabalhamos a noite inteira e nada pescamos. Mas, em atenção à tua palavra, vou lançar as redes”. 6 Assim fizeram, e apanharam tamanha quantidade de peixes, que as redes se rompiam. 7 Então fizeram sinal aos companheiros da outra barca, para que viessem ajudá-los. Eles vieram, e encheram as duas barcas, a ponto de quase afundarem. 8 Ao ver aquilo, Simão Pedro atirou-se aos pés de Jesus, dizendo: “Senhor, afasta-te de mim, porque sou um pecador!” 9 É que o espanto se apoderara de Simão e de todos os seus companheiros, por causa da pesca que acabavam de fazer. 10 Tiago e João, filhos de Zebedeu, que eram sócios de Simão, também ficaram espantados. Jesus, porém, disse a Simão: “Não tenhas medo! De hoje em diante, tu serás pescador de homens”. 11 Então levaram as barcas para a margem, deixaram tudo e seguiram a Jesus.

    Palavra da Salvação.

    Abandonar as nossas certezas para seguir Jesus

    Lc 5,1-11

    “Então levaram as barcas para a margem, deixaram tudo e seguiram a Jesus” (Lc 5,11).

    Quando pensamos e refletimos sobre “deixar tudo e seguir a Cristo”, talvez a primeira frase que nos vem à cabeça é a de que: “não dá, isto é impossível”, “como deixarei tudo?” e ainda muitas outras indagações que acentuam os questionamentos.

    O fato é que para o seguimento de Cristo, precisamos deixar tudo. Porém, podemos nos perguntar: “deixar o quê?”. Jesus nos pede algo crucial e objetivo: Renuncie-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me. Isto significa que o que temos de deixar para seguir a Cristo somos nós mesmos. E muitas das vezes nossos próprios desejos, busca de prazeres, comodidades, confortos, seguranças, honras, prestígios, reconhecimento, fama, situações que nos agradam, e muitas outras coisas, pois o seguimento de Cristo implica em um seguimento pautado na sua cruz, ou seja, é tomando a sua cruz, as suas dificuldades, as suas dores, as adversidades provenientes do seguimento, como ser negado pelos outros, desprezado, humilhado etc.

    Simão Pedro aceitou este convite e, imediatamente, deixou o barco e as redes para seguir a Cristo. Isto nos mostra que Pedro deixou suas comodidades, seu condicionamento e até mesmo aquilo que tinha de mais importante, para ser seguidor de Cristo. O que não podemos é estagnarmo-nos no medo. Somos o tempo todo chamados a seguir mais de perto a Cristo, servindo em nossa comunidade, na igreja, ajudando os pobres, perdoando, rezando etc, mas podemos cair na tentação do medo, e por isso então que Cristo diz a Pedro: “Não tenhas medo!” (Lc 5,10b).

    Que possamos, livremente, fazer esta opção de seguimento, nunca esquecendo que Deus nos chama o tempo todo e, quando nos chama, devemos atendê-lo de forma imediata, deixando nosso barco e nossa rede na praia e seguindo os passos de Cristo.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 2ª feira da 5ª Semana do TC

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Gênesis 1,1-19

    1 No princípio Deus criou o céu e a terra. 2 A terra estava deserta e vazia, as trevas cobriam a face do abismo e o Espírito de Deus pairava sobre as águas. 3 Deus disse: “Faça-se a luz!” E a luz se fez. 4 Deus viu que a luz era boa e separou a luz das trevas. 5 E à luz Deus chamou “dia”, e às trevas, “noite”. Houve uma tarde e uma manhã: primeiro dia. 6 Deus disse: “Faça-se um firmamento entre as águas, separando umas das outras”. 7 E Deus fez o firmamento e separou as águas que estavam embaixo das que estavam em cima do firmamento. E assim se fez. 8 Ao firmamento Deus chamou “céu”. Houve uma tarde e uma manhã: segundo dia. 9 Deus disse: “Juntem-se as águas que estão debaixo do céu num só lugar e apareça o solo enxuto!” E assim se fez. 10 Ao solo enxuto Deus chamou “terra”, e ao ajuntamento das águas, “mar”. E Deus viu que era bom. 11 Deus disse: “A terra faça brotar vegetação e plantas que deem semente, e árvores frutíferas que deem fruto segundo a sua espécie, que tenham nele sua semente sobre a terra”. E assim se fez. 12 E a terra produziu vegetação e plantas que trazem semente segundo a sua espécie, e árvores que dão fruto tendo nele a semente da sua espécie. E Deus viu que era bom. 13 Houve uma tarde e uma manhã: terceiro dia. 14 Deus disse: “Façam-se luzeiros no firmamento do céu, para separar o dia da noite. Que sirvam de sinais para marcar as épocas, os dias e os anos 15 e que resplandeçam no firmamento do céu e iluminem a terra”. E assim se fez. 16 Deus fez os dois grandes luzeiros: o luzeiro maior para presidir ao dia e o luzeiro menor para presidir à noite, e as estrelas. 17 Deus colocou-os no firmamento do céu para alumiar a terra, 18 para presidir ao dia e à noite e separar a luz das trevas. E Deus viu que era bom. 19 E houve uma tarde e uma manhã: quarto dia.

    Palavra do Senhor.

    Sl 103(104)

    Alegre-se o Senhor em suas obras!

    Bendize, ó minha alma, ao Senhor! / Ó meu Deus e meu Senhor, como sois grande! /
    De majestade e esplendor vos revestis / e de luz vos envolveis como num manto. – R.

    A terra vós firmastes em suas bases, / ficará firme pelos séculos sem fim; /
    os mares a cobriam como um manto, / e as águas envolviam as montanhas. – R.

    Fazeis brotar, em meio aos vales, as nascentes / que passam serpeando entre as montanhas; /
    às suas margens vêm morar os passarinhos, / entre os ramos eles erguem o seu canto. – R.

    Quão numerosas, ó Senhor, são vossas obras, / e que sabedoria em todas elas! /
    Encheu-se a terra com as vossas criaturas! / Bendize, ó minha alma, ao Senhor! – R.

    Marcos 6,53-56

    Naquele tempo, 53 tendo Jesus e seus discípulos acabado de atravessar o mar da Galileia, chegaram a Genesaré e amarraram a barca. 54 Logo que desceram da barca, as pessoas imediatamente reconheceram Jesus. 55 Percorrendo toda aquela região, levavam os doentes deitados em suas camas para o lugar onde ouviam falar que Jesus estava. 56 E, nos povoados, cidades e campos aonde chegavam, colocavam os doentes nas praças e pediam-lhe para tocar, ao menos, a barra de sua veste. E todos quantos o tocavam ficavam curados.

    Palavra da Salvação.

    Colocar-se diante do Senhor

    Mc 6,53-56 

    “Assim que saíram da barca, o povo o reconheceu”. (Mc 6,54)

    Meus irmãos e irmãs, paz e bem!

    O Evangelho de hoje nos fala das curas na região de Genesaré. Para que a graça nos alcance, é necessário reconhecer a presença do Senhor em nossa vida. Devemos nos colocar diante d’Ele e permitir que o Senhor aja sempre em nós, mas é preciso que esperemos o tempo de Deus e que tenhamos fé e esperança. No tempo certo Ele manifestará o seu poder e a graça de que tanto necessitamos acontecerá em nossa vida.

    Todos os dias o Senhor nos concede o dom da vida, pois Ele sabe a necessidade de seus filhos e filhas. Ele está sempre presente, devemos deixar Deus agir e tudo se realizará na nossa vida. “Navegar para o outro lado” pode ser um dos maiores desafios de nossa vida. O outro lado traz seus desafios, traz-nos também suas esperanças. A maior delas é que o Mestre faz a travessia conosco, ao lado.

    A todos desejamos um bom dia e que o Senhor vos abençoe, paz e bem.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 3ª feira da 5ª Semana do TC

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Gênesis 1,20-2,4

    20 Deus disse: “Fervilhem as águas de seres animados de vida e voem pássaros sobre a terra, debaixo do firmamento do céu”. 21 Deus criou os grandes monstros marinhos e todos os seres vivos que nadam, em multidão, nas águas, segundo as suas espécies, e todas as aves, segundo as suas espécies. E Deus viu que era bom. 22 E Deus os abençoou, dizendo: “Sede fecundos e multiplicai-vos e enchei as águas do mar, e que as aves se multipliquem sobre a terra”. 23 Houve uma tarde e uma manhã: quinto dia. 24 Deus disse: “Produza a terra seres vivos, segundo as suas espécies, animais domésticos, répteis e animais selvagens, segundo as suas espécies”. E assim se fez. 25 Deus fez os animais selvagens, segundo as suas espécies, os animais domésticos, segundo as suas espécies, e todos os répteis do solo, segundo as suas espécies. E Deus viu que era bom. 26 Deus disse: “Façamos o homem à nossa imagem e segundo a nossa semelhança, para que domine sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu e sobre todos os répteis que rastejam sobre a terra”. 27 E Deus criou o homem à sua imagem, à imagem de Deus ele o criou: homem e mulher os criou. 28 E Deus os abençoou e lhes disse: “Sede fecundos e multiplicai-vos, enchei a terra e submetei-a! Dominai sobre os peixes do mar, sobre os pássaros do céu e sobre todos os animais que se movem sobre a terra”. 29 E Deus disse: “Eis que vos entrego todas as plantas que dão semente sobre a terra e todas as árvores que produzem fruto com sua semente, para vos servirem de alimento. 30 E a todos os animais da terra, e a todas as aves do céu, e a tudo o que rasteja sobre a terra e que é animado de vida, eu dou todos os vegetais para alimento”. E assim se fez. 31 E Deus viu tudo quanto havia feito, e eis que tudo era muito bom. Houve uma tarde e uma manhã: sexto dia. 2,1 E assim foram concluídos o céu e a terra com todo o seu exército. 2 No sétimo dia, Deus considerou acabada toda a obra que tinha feito; e, no sétimo dia, descansou de toda a obra que fizera. 3 Deus abençoou o sétimo dia e o santificou, porque nesse dia descansou de toda a obra da criação. 4 Esta é a história do céu e da terra, quando foram criados.

    Palavra do Senhor.

    Sl 8

    Ó Senhor nosso Deus, como é grande / vosso nome por todo o universo!

    Contemplando estes céus que plasmastes / e formastes com dedos de artista; /
    vendo a lua e estrelas brilhantes, / perguntamos: “Senhor, que é o homem /
    para dele assim vos lembrardes / e o tratardes com tanto carinho?” – R.

    Pouco abaixo de Deus o fizestes, / coroando-o de glória e esplendor; /
    vós lhe destes poder sobre tudo, / vossas obras aos pés lhe pusestes. – R.

    As ovelhas, os bois, os rebanhos, / todo o gado e as feras da mata; /
    passarinhos e peixes dos mares, / todo ser que se move nas águas. – R.

    Marcos 7,1-13

    Naquele tempo, 1 os fariseus e alguns mestres da lei vieram de Jerusalém e se reuniram em torno de Jesus. 2 Eles viam que alguns dos seus discípulos comiam o pão com as mãos impuras, isto é, sem as terem lavado. 3 Com efeito, os fariseus e todos os judeus só comem depois de lavar bem as mãos, seguindo a tradição recebida dos antigos. 4 Ao voltar da praça, eles não comem sem tomar banho. E seguem muitos outros costumes que receberam por tradição: a maneira certa de lavar copos, jarras e vasilhas de cobre. 5 Os fariseus e os mestres da lei perguntaram então a Jesus: “Por que os teus discípulos não seguem a tradição dos antigos, mas comem o pão sem lavar as mãos?” 6 Jesus respondeu: “Bem profetizou Isaías a vosso respeito, hipócritas, como está escrito: ‘Este povo me honra com os lábios, mas seu coração está longe de mim. 7 De nada adianta o culto que me prestam, pois as doutrinas que ensinam são preceitos humanos’. 8 Vós abandonais o mandamento de Deus para seguir a tradição dos homens”. 9 E dizia-lhes: “Vós sabeis muito bem como anular o mandamento de Deus a fim de guardar as vossas tradições. 10 Com efeito, Moisés ordenou: ‘Honra teu pai e tua mãe’. E ainda: ‘Quem amaldiçoa o pai ou a mãe, deve morrer’. 11 Mas vós ensinais que é lícito alguém dizer a seu pai e à sua mãe: ‘O sustento que vós poderíeis receber de mim é corban, isto é, consagrado a Deus’. 12 E essa pessoa fica dispensada de ajudar seu pai ou sua mãe. 13 Assim vós esvaziais a palavra de Deus com a tradição que vós transmitis. E vós fazeis muitas outras coisas como estas”.

    Palavra da Salvação.

    Ater-se ao que é essencial

    Mc 7, 1-13

    “De nada adianta o culto que me prestam, pois as doutrinas que ensinam são preceitos humanos” (Mc 7,7)

    No evangelho de hoje, vemos os fariseus observando as atitudes de Jesus e seus discípulos. Eles sempre ficavam instigando, procurando algo negativo ou uma falha no ensinamento e nas atitudes de Jesus. Eis que percebem que eles não lavam as mãos antes da refeição, uma pequena falta, um preceito humano que não reflete o essencial.

    Jesus admoesta que essa atitude de procurar defeitos nos outros e se ater apenas aos rituais são práticas de aparências. Como se fossem eles os controladores do que era certo ou errado. Para Jesus, não importava se os discípulos estavam com as mãos “impuras”, mas que suas intenções sejam puras. Todas as atitudes, todo devotamento do discípulo, deve estar em consonância com Deus e seu projeto. O interior, as intenções sinceras do discípulo, são mais importantes que a aparência exterior.

    Que cada vez mais possamos ser autênticos e não nos prendermos às aparências e a simbolismos que não refletem o que é essencial, que não nos aproxima de Deus. Que possamos ver com clareza a verdade do evangelho em todas as situações de nosso dia a dia.

    Paz e Bem!

    Reflexão feita pelos noviços

  • 4ª feira da 5ª Semana do TC

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Gênesis 2,4-9.15-17

    4 No dia em que o Senhor fez a terra e o céu, 5ainda não havia nenhum arbusto do campo sobre a terra e ainda nenhuma erva do campo tinha brotado, porque o Senhor Deus não tinha feito chover sobre a terra nem existia homem para cultivar o solo. 6 Mas uma fonte brotava da terra e lhe regava toda a superfície. 7 Então o Senhor Deus formou o homem do pó da terra, soprou-lhe nas narinas o sopro da vida, e o homem tornou-se um ser vivente. 8 Depois, o Senhor Deus plantou um jardim em Éden, a oriente, e ali pôs o homem que havia formado. 9 E o Senhor Deus fez brotar da terra toda sorte de árvores de aspecto atraente e de fruto saboroso ao paladar, a árvore da vida no meio do jardim e a árvore do conhecimento do bem e do mal. 15 O Senhor Deus tomou o homem e colocou-o no jardim de Éden, para o cultivar e guardar. 16 E o Senhor Deus deu ao homem uma ordem, dizendo: “Podes comer de todas as árvores do jardim, 17 mas não comas da árvore do conhecimento do bem e do mal; porque, no dia em que fizeres, sem dúvida morrerás”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 103(104)

    Bendize, ó minha alma, ao Senhor!

    Bendize, ó minha alma, ao Senhor! / Ó meu Deus e meu Senhor, como sois grande! /
    De majestade e esplendor vos revestis / e de luz vos envolveis como num manto. – R.

    Todos eles, ó Senhor, de vós esperam / que a seu tempo vós lhes deis o alimento; /
    vós lhes dais o que comer, e eles recolhem, / vós abris a vossa mão, e eles se fartam. – R.

    Se tirais o seu respiro, eles perecem / e voltam para o pó de onde vieram; /
    enviais o vosso espírito e renascem, / e da terra toda a face renovais. – R.

    Marcos 7,14-23

    Naquele tempo, 14 Jesus chamou a multidão para perto de si e disse: “Escutai todos e compreendei: 15 o que torna impuro o homem não é o que entra nele, vindo de fora, mas o que sai do seu interior. 16 Quem tem ouvidos para ouvir, ouça”. 17 Quando Jesus entrou em casa, longe da multidão, os discípulos lhe perguntaram sobre essa parábola. 18 Jesus lhes disse: “Será que nem vós compreendeis? Não entendeis que nada do que vem de fora e entra numa pessoa pode torná-la impura, 19 porque não entra em seu coração, mas em seu estômago e vai para a fossa?” Assim Jesus declarava que todos os alimentos eram puros. 20 Ele disse: “O que sai do homem, isso é que o torna impuro. 21 Pois é de dentro do coração humano que saem as más intenções, imoralidades, roubos, assassínios, 22 adultérios, ambições desmedidas, maldades, fraudes, devassidão, inveja, calúnia, orgulho, falta de juízo. 23 Todas essas coisas más saem de dentro, e são elas que tornam impuro o homem”.

    Palavra da Salvação.

    Purificar nosso interior

    Mc 7, 14-23

    “Escutai todos e compreendei”. (Mc 7,14)

    Paz e bem, irmãos e irmãs!

    No evangelho de hoje, Jesus nos pede para ouvir e procurar entender o que Ele quer nos dizer quando fala sobre o que é verdadeiramente impuro ou não.

    Não podemos permanecer na mesma mentalidade dos fariseus. É o que sai do interior do homem é o que o torna impuro. É do interior do coração que saem os maus pensamentos, roubos, assassinatos, adultérios, ambições, perversidade, má fé, orgulho, etc. Todas estas maldades saem de dentro e tornam o homem impuro.

    Por isso meus irmãos e irmãs, devemos estar em sintonia com a Palavra de Jesus e buscar praticar o bem e contribuir para a construção do Reino de Deus aqui na Terra.

    Paz e bem!

    Reflexão feita pelos noviços

  • 5ª feira da 5ª Semana do TC

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Gênesis 2,18-25

    18 O Senhor Deus disse: “Não é bom que o homem esteja só. Vou dar-lhe uma auxiliar semelhante a ele”. 19 Então o Senhor Deus formou da terra todos os animais selvagens e todas as aves do céu e trouxe-os a Adão para ver como os chamaria; todo ser vivo teria o nome que Adão lhe desse. 20 E Adão deu nome a todos os animais domésticos, a todas as aves do céu e a todos os animais selvagens, mas Adão não encontrou uma auxiliar semelhante a ele. 21 Então o Senhor Deus fez cair um sono profundo sobre Adão. Quando este adormeceu, tirou-lhe uma das costelas e fechou o lugar com carne. 22 Depois, da costela tirada de Adão, o Senhor Deus formou a mulher e conduziu-a a Adão. 23 E Adão exclamou: “Desta vez, sim, é osso dos meus ossos e carne da minha carne! Ela será chamada ‘mulher’ porque foi tirada do homem”. 24 Por isso, o homem deixará seu pai e sua mãe e se unirá à sua mulher, e eles serão uma só carne. 25 Ora, ambos estavam nus, Adão e sua mulher, e não se envergonhavam.

    Palavra do Senhor.

    Sl 127(128)

    Felizes todos os que respeitam o Senhor.

    Feliz és tu se temes o Senhor / e trilhas seus caminhos! /
    Do trabalho de tuas mãos hás de viver, / serás feliz, tudo irá bem! – R.

    A tua esposa é uma videira bem fecunda / no coração da tua casa; /
    os teus filhos são rebentos de oliveira / ao redor de tua mesa. – R.

    Será assim abençoado todo homem / que teme o Senhor. /
    O Senhor te abençoe de Sião / cada dia de tua vida. – R.

    Marcos 7,24-30

    Naquele tempo, 24 Jesus saiu e foi para a região de Tiro e Sidônia. Entrou numa casa e não queria que ninguém soubesse onde ele estava. Mas não conseguiu ficar escondido. 25 Uma mulher, que tinha uma filha com um espírito impuro, ouviu falar de Jesus. Foi até ele e caiu a seus pés. 26 A mulher era pagã, nascida na Fenícia da Síria. Ela suplicou a Jesus que expulsasse de sua filha o demônio. 27 Jesus disse: “Deixa primeiro que os filhos fiquem saciados, porque não está certo tirar o pão dos filhos e jogá-lo aos cachorrinhos”. 28 A mulher respondeu: “É verdade, Senhor; mas também os cachorrinhos, debaixo da mesa, comem as migalhas que as crianças deixam cair”. 29 Então Jesus disse: “Por causa do que acabas de dizer, podes voltar para casa. O demônio já saiu de tua filha”. 30 Ela voltou para casa e encontrou sua filha deitada na cama, pois o demônio já havia saído dela.

    Palavra da salvação.

    O Senhor nos deu irmãos

    Mc 7,24-30 

    “Uma mulher, que tinha uma filha com um espírito impuro, ouviu falar de Jesus. Foi até ele e caiu a seus pés.”  (Mc 7, 26)

    No evangelho de hoje, Jesus nos ensina que Ele não veio para alguns, mas para todos, porque nos ama.

    Deus nos dá a Graça de sermos irmãos uns dos outros, de nos amarmos mutuamente, de perdoar sempre. Ele nos fala, a exemplo de Seu Filho, que devemos acolher todos com respeito e carinho, independente de quem somos ou de onde viemos. Deus olha o coração que é sedento por Ele. Nós, como discípulos de Jesus, devemos acolher os nossos irmãos com “olhos espirituais”. Estes olhos não veem só o que está fora, mas o que está dentro também, o que é de verdade; veem um irmão, um amigo.

    Que nós, com a Força do Espírito do Senhor, possamos acolher todos os nossos irmãos e irmãs no espírito da fraternidade universal, que revela uma grande família reunida por amor ao Sumo Bem.

    Paz e Bem!

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 6ª feira da 5ª Semana do TC

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Gênesis 3,1-8

    1 A serpente era o mais astuto de todos os animais dos campos que o Senhor Deus tinha feito. Ela disse à mulher: “É verdade que Deus vos disse: ‘Não comereis de nenhuma das árvores do jardim’?” 2 E a mulher respondeu à serpente: “Do fruto das árvores do jardim nós podemos comer. 3 Mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, Deus nos disse: ‘Não comais dele nem sequer o toqueis, do contrário morrereis’”. 4 A serpente disse à mulher: “Não, vós não morrereis. 5 Mas Deus sabe que, no dia em que dele comerdes, vossos olhos se abrirão e vós sereis como Deus, conhecendo o bem e o mal”. 6 A mulher viu que seria bom comer da árvore, pois era atraente para os olhos e desejável para obter conhecimento. E colheu um fruto, comeu e deu também ao marido, que estava com ela, e ele comeu. 7 Então, os olhos dos dois se abriram; e, vendo que estavam nus, teceram tangas para si com folhas de figueira. 8 Quando ouviram a voz do Senhor Deus, que passeava pelo jardim à brisa da tarde, Adão e sua mulher esconderam-se do Senhor Deus no meio das árvores do jardim.

    Palavra do Senhor.

    Sl 31(32)

    Feliz aquele cuja falta é perdoada!

    Feliz o homem que foi perdoado / e cuja falta já foi encoberta! /
    Feliz o homem a quem o Senhor † não olha mais como sendo culpado /
    e em cuja alma não há falsidade! – R.

    Eu confessei, afinal, meu pecado / e minha falta vos fiz conhecer. /
    Disse: “Eu irei confessar meu pecado!” / E perdoastes, Senhor, minha falta. – R.

    Todo fiel pode, assim, invocar-vos / durante o tempo da angústia e aflição, /
    porque, ainda que irrompam as águas, / não poderão atingi-lo jamais. – R.

    Sois para mim proteção e refúgio; / na minha angústia me haveis de salvar /
    e envolvereis a minha alma no gozo / da salvação que me vem só de vós. – R.

    Marcos 7,31-37

    Naquele tempo, 31 Jesus saiu de novo da região de Tiro, passou por Sidônia e continuou até o mar da Galileia, atravessando a região da Decápole. 32 Trouxeram então um homem surdo, que falava com dificuldade, e pediram que Jesus lhe impusesse a mão. 33 Jesus afastou-se com o homem para fora da multidão; em seguida, colocou os dedos nos seus ouvidos, cuspiu e, com a saliva, tocou a língua dele. 34 Olhando para o céu, suspirou e disse: “Efatá!”, que quer dizer “abre-te!” 35 Imediatamente seus ouvidos se abriram, sua língua se soltou e ele começou a falar sem dificuldade. 36 Jesus recomendou com insistência que não contassem a ninguém. Mas, quanto mais ele recomendava, mais eles divulgavam. 37 Muito impressionados, diziam: “Ele tem feito bem todas as coisas: aos surdos faz ouvir e aos mudos falar”.

    Palavra da salvação.

    Restituir a dignidade de toda criatura

    Mc 7,31-37

    “Ele tem feito bem todas as coisas: aos surdos faz ouvir e aos mudos falar” (Mc 7,37)

    O evangelho de hoje nos mostra o carinho e a atenção que Jesus dava àqueles que eram excluídos da sociedade através da sua condição física e social.

    A partir da cura que Jesus realizou é possível entendermos que o Reino de Deus é preferencial para os mais pobres, marginalizados e oprimidos. Em todas as suas ações, Jesus sempre está ao lado dos mais fracos, dando a eles esperança e acima de tudo restituindo a dignidade de filhos de Deus.

    Como cristãos, é assim que devemos agir. Procuremos cada vez mais defender a justiça, a igualdade, tudo por amor de Deus, percebendo que os excluídos fazem parte do Reino de Deus. Somos chamados a fazer o bem e não apenas ser bom.

    Portanto, caríssimos, devemos pensar sobre a nossa forma de agir. Ela condiz com o que Cristo nos manda? Caso contrário, devemos mudar, porque nunca é tarde para recomeçar, pois fazer o bem faz bem.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • Sábado da 5ª Semana do TC

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Gênesis 3,9-24

    9 O Senhor Deus chamou Adão, dizendo: “Onde estás?” 10 E ele respondeu: “Ouvi tua voz no jardim e fiquei com medo, porque estava nu; e me escondi”. 11 Disse-lhe o Senhor Deus: “E quem te disse que estavas nu? Então comeste da árvore de cujo fruto te proibi comer?” 12 Adão disse: “A mulher que tu me deste por companheira, foi ela que me deu do fruto da árvore, e eu comi”. 13 Disse o Senhor Deus à mulher: “Por que fizeste isso?” E a mulher respondeu: “A serpente enganou-me e eu comi”. 14 Então o Senhor Deus disse à serpente: “Porque fizeste isso, serás maldita entre todos os animais domésticos e todos os animais selvagens! Rastejarás sobre o ventre e comerás pó todos os dias da tua vida! 15 Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e a dela. Esta te ferirá a cabeça e tu lhe ferirás o calcanhar”. 16 À mulher ele disse: “Multiplicarei os sofrimentos da tua gravidez: entre dores darás à luz os filhos; teus desejos te arrastarão para o teu marido, e ele te dominará”. 17 E disse em seguida a Adão: “Porque ouviste a voz da tua mulher e comeste da árvore de cujo fruto te proibi comer, amaldiçoado será o solo por tua causa! Com sofrimento tirarás dele o alimento todos os dias da tua vida. 18 Ele produzirá para ti espinhos e cardos e comerás as ervas da terra; 19 comerás o pão com o suor do teu rosto até voltares à terra de que foste tirado, porque és pó e ao pó hás de voltar”. 20 E Adão chamou à sua mulher “Eva”, porque ela é a mãe de todos os viventes. 21 Então o Senhor Deus fez para Adão e sua mulher túnicas de pele e os vestiu. 22 Disse, depois, o Senhor Deus: “Eis que o homem se tornou como um de nós, capaz de conhecer o bem e o mal. Não aconteça, agora, que ele estenda a mão também à árvore da vida para comer dela e viver para sempre!” 23 E o Senhor Deus o expulsou do jardim de Éden, para que ele cultivasse a terra donde fora tirado. 24 Expulsou o homem e colocou a oriente do jardim de Éden os querubins e a espada lampejante de chamas, para guardar o caminho da árvore da vida.

    Palavra do Senhor.

    Sl 89(90)

    Ó Senhor, vós fostes sempre um refúgio para nós.

    Já bem antes que as montanhas fossem feitas † ou a terra e o mundo se formassem, /
    desde sempre e para sempre vós sois Deus. – R.

    Vós fazeis voltar ao pó todo mortal / quando dizeis: “Voltai ao pó, filhos de Adão!” /
    Pois mil anos para vós são como ontem, / qual vigília de uma noite que passou. – R.

    Eles passam como o sono da manhã, / são iguais à erva verde pelos campos: /
    de manhã ela floresce vicejante, / mas à tarde é cortada e logo seca. – R.

    Ensinai-nos a contar os nossos dias / e dai ao nosso coração sabedoria! /
    Senhor, voltai-vos! Até quando tardareis? / Tende piedade e compaixão de vossos servos! – R.

    Marcos 8,1-10

    1 Naqueles dias, havia de novo uma grande multidão e não tinha o que comer. Jesus chamou os discípulos e disse: 2 “Tenho compaixão dessa multidão, porque já faz três dias que está comigo e não têm nada para comer. 3 Se eu os mandar para casa sem comer, vão desmaiar pelo caminho, porque muitos deles vieram de longe”. 4 Os discípulos disseram: “Como poderia alguém saciá-los de pão aqui no deserto?” 5 Jesus perguntou-lhes: “Quantos pães tendes?” Eles responderam: “Sete”. 6 Jesus mandou que a multidão se sentasse no chão. Depois, pegou os sete pães e deu graças, partiu-os e ia dando aos seus discípulos, para que os distribuíssem. E eles os distribuíam ao povo. 7 Tinham também alguns peixinhos. Depois de pronunciar a bênção sobre eles, mandou que os distribuíssem também. 8 Comeram e ficaram satisfeitos, e recolheram sete cestos com os pedaços que sobraram. 9 Eram quatro mil, mais ou menos. E Jesus os despediu. 10 Subindo logo na barca com seus discípulos, Jesus foi para a região de Dalmanuta.

    Palavra da Salvação.

    Em Deus, o pouco é muito

    Mc 8,1-10

    “Estou com pena do povo porque há três dias estão comigo e não têm o que comer”. (Mc 8,2)

    Jesus estava muito preocupado com as pessoas que estavam o seguindo havia já três dias e não tinham o que comer. Quando o evangelho diz que “Jesus estava com pena”, não quer dizer apenas uma pena daquelas que sentimos, mas que não produz mais nada além disto.

    Esta pena que Jesus sente se transforma em misericórdia quando O leva a agir concretamente na vida daquelas pessoas, transformando o pouco que possuíam em muito. Jesus nos mostra que Deus não quer agir sozinho, pois Ele poderia tranquilamente ter criado na hora o que quisesse para alimentá-los ou ainda poderia dizer: “Fiquem saciados”! E pronto estariam todos saciados. Mas Deus quer precisar de nós. Ele espera nossa parte do processo na construção do Reino.

    Por isso, não nos importemos se o que possuímos é pouco ou quase nada. Confiemos em Deus e apresentemos esse pouco que temos e somos a Jesus para que o Senhor multiplique em nós o que deseja. Em Deus o fraco é forte e o pouco é muito.

    Paz e Bem!

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 6º domingo do Tempo Comum

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • 2ª Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Jeremias 17,5-8

    5 Isto diz o Senhor: “Maldito o homem que confia no homem e faz consistir sua força na carne humana, enquanto o seu coração se afasta do Senhor; 6 como os cardos no deserto, ele não vê chegar a floração, prefere vegetar na secura do ermo, em região salobra e desabitada. 7 Bendito o homem que confia no Senhor, cuja esperança é o Senhor; 8 é como a árvore plantada junto às águas, que estende as raízes em busca de umidade, por isso não teme a chegada do calor: sua folhagem mantém-se verde, não sofre míngua em tempo de seca e nunca deixa de dar frutos”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 1

    É feliz quem a Deus se confia!

    Feliz é todo aquele que não anda / conforme os conselhos dos perversos; / que não entra no caminho dos malvados /
    nem junto aos zombadores vai sentar-se; / mas encontra seu prazer na lei de Deus / e a medita, dia e noite, sem cessar. – R.

    Eis que ele é semelhante a uma árvore / que à beira da torrente está plantada; /
    ela sempre dá seus frutos a seu tempo, † e jamais as suas folhas vão murchar. /
    Eis que tudo o que ele faz vai prosperar. – R.

    Mas bem outra é a sorte dos perversos. † Ao contrário, são iguais à palha seca / espalhada e dispersada pelo vento. /
    Pois Deus vigia o caminho dos eleitos, / mas a estrada dos malvados leva à morte. – R.

    1 Coríntios 15,12.16-20

    Irmãos, 12 se se prega que Cristo ressuscitou dos mortos, como podem alguns dizer entre vós que não há ressurreição dos mortos? 16 Pois, se os mortos não ressuscitam, então Cristo também não ressuscitou. 17 E se Cristo não ressuscitou, a vossa fé não tem nenhum valor e ainda estais nos vossos pecados. 18 Então, também os que morreram em Cristo pereceram. 19 Se é para esta vida que pusemos a nossa esperança em Cristo, nós somos – de todos os homens – os mais dignos de compaixão. 20 Mas, na realidade, Cristo ressuscitou dos mortos como primícias dos que morreram.

    Palavra do Senhor.

    Lucas 6,17.20-26

    Naquele tempo, 17 Jesus desceu da montanha com os discípulos e parou num lugar plano. Ali estavam muitos dos seus discípulos e grande multidão de gente de toda a Judeia e de Jerusalém, do litoral de Tiro e Sidônia. 20 E, levantando os olhos para os seus discípulos, disse: “Bem-aventurados vós, os pobres, porque vosso é o reino de Deus! 21 Bem-aventurados, vós que agora tendes fome, porque sereis saciados! Bem-aventurados vós, que agora chorais, porque havereis de rir! 22 Bem-aventurados sereis quando os homens vos odiarem, vos expulsarem, vos insultarem e amaldiçoarem o vosso nome por causa do Filho do homem! 23 Alegrai-vos, nesse dia, e exultai, pois será grande a vossa recompensa no céu; porque era assim que os antepassados deles tratavam os profetas. 24 Mas ai de vós, ricos, porque já tendes vossa consolação! 25 Ai de vós, que agora tendes fartura, porque passareis fome! Ai de vós, que agora rides, porque tereis luto e lágrimas! 26 Ai de vós quando todos vos elogiam! Era assim que os antepassados deles tratavam os falsos profetas”.

    Palavra da salvação.

    Viver sob a luz da Palavra

    Lc 6, 17.20-26

    “Exultai naquele dia, pulai de alegria, porque vossa recompensa será grande” (Lc 6,23)

    O evangelho deste 6º domingo do Tempo Comum traz o sermão da montanha ou as bem-aventuranças. O sermão de Cristo é dirigido aos discípulos e as pessoas que procuravam Jesus a fim de serem libertos das impurezas.

    O sermão da montanha é um convite a vivermos mais fielmente sob a luz da Palavra que traduz a vontade de Deus. O que possuímos nesta vida é passageiro, temporário, corruptível.

    O meu sofrimento deve ser compreendido segundo a vontade de Deus. A felicidade plena não está na forma como vivemos a vida: na abundancia ou na penúria. Ela é alcançada pela perseverança no amor a Deus e sua santa vontade como expressamos na oração do “Pai Nosso”.

    Paz e bem!

    Reflexão feita pelos noviços

  • 2ª feira da 6ª Semana do TC

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Gênesis 4,1-15.25

    1 Adão conheceu Eva, sua mulher, e ela concebeu e deu à luz Caim, dizendo: “Gerei um homem com a ajuda do Senhor”. 2 E deu também à luz Abel, irmão de Caim. Abel foi pastor de ovelhas e Caim, agricultor. 3 Aconteceu, tempos depois, que Caim ofereceu frutos da terra como sacrifício ao Senhor 4 e Abel ofereceu primogênitos do seu rebanho, com sua gordura. O Senhor olhou para Abel e sua oferenda, 5 mas para Caim e sua oferenda não olhou. Caim encheu-se de cólera, e seu rosto tornou-se abatido. 6 Então o Senhor perguntou a Caim: “Por que estás cheio de cólera e andas com o rosto abatido? 7 É verdade que, se fizeres o bem, andarás de cabeça erguida; mas se fizeres o mal, o pecado estará à porta, espreitando-te. Tu, porém, poderás dominá-lo”. 8 Caim disse a seu irmão, Abel: “Vamos ao campo”. Logo que chegaram ao campo, Caim atirou-se sobre o seu irmão, Abel, e matou-o. 9 E o Senhor perguntou a Caim: “Onde está o teu irmão Abel?” Ele respondeu: “Não sei. Acaso sou o guarda do meu irmão?” 10 O Senhor lhe disse: “Que fizeste? A voz do sangue do teu irmão está clamando por mim da terra. 11 Agora, pois, serás amaldiçoado pela terra que abriu a boca para receber das tuas mãos o sangue do teu irmão! 12 Quando tu a cultivares, ela te negará seus frutos. E serás um fugitivo, vagando sobre a terra”. 13 Caim disse ao Senhor: “Meu castigo é grande demais para que eu o possa suportar. 14 Se, hoje, me expulsas desta terra, devo esconder-me de ti, tornando-me um fugitivo a vaguear sobre a terra; qualquer um que me encontrar me matará”. 15 E o Senhor lhe disse: “Não! Mas aquele que matar Caim será punido sete vezes!” O Senhor pôs, então, um sinal em Caim, para que ninguém, ao encontrá-lo, o matasse. 25 Adão conheceu de novo sua mulher. Ela deu à luz um filho, a quem chamou Set, dizendo: “O Senhor deu-me um outro descendente no lugar de Abel, que Caim matou”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 49(50)

    Imola a Deus um sacrifício de louvor!

    Falou o Senhor Deus, chamou a terra, / do sol nascente ao sol poente a convocou. /
    Eu não venho censurar teus sacrifícios, / pois sempre estão perante mim teus holocaustos. – R.

    “Como ousas repetir os meus preceitos / e trazer minha aliança em tua boca? /
    Tu que odiaste minhas leis e meus conselhos / e deste as costas às palavras dos meus lábios! – R.

    Assentado, difamavas teu irmão / e ao filho de tua mãe injuriavas. / Diante disso que fizeste, eu calarei? /
    Acaso pensas que eu sou igual a ti? / É disso que te acuso e repreendo / e manifesto essas coisas aos teus olhos.” – R.

    Marcos 8,11-13

    Naquele tempo, 11 os fariseus vieram e começaram a discutir com Jesus. E, para pô-lo à prova, pediam-lhe um sinal do céu. 12 Mas Jesus deu um suspiro profundo e disse: “Por que esta gente pede um sinal? Em verdade vos digo, a esta gente não será dado nenhum sinal”. 13 E, deixando-os, Jesus entrou de novo na barca e se dirigiu para a outra margem.

    Palavra da Salvação.

    Confiar na Palavra

    Mc 8, 11-13

    “Por que esta gente pede um sinal?”  (Mc 8,12)

    O evangelho de hoje nos convida a refletirmos sobre a fé perante a palavra de Deus anunciada por Jesus.

    Pedimos um sinal para acreditar porque cada dia vemos mais as dificuldades, os sofrimentos, a fome, as doenças e a guerra. É isso que nos faz perguntar: por que tem que acontecer tudo isso? E nos esquecemos que o Senhor também passou por isso.

    Devemos ser como Jesus, o Filho de Deus, que nunca pediu um sinal para acreditar no Pai. O sinal que será dado é aquele que foi dado ao povo de Nínive, de fazer penitência. É através da conversão que fazemos o caminho em direção ao Pai, tendo fé naquele que nos salvou das garras do pecado.

    Será que precisamos de um sinal para acreditar em Deus? Pelo visto não, porque já nos foi dado um sinal, o Salvador, Jesus Cristo.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 3ª feira da 6ª Semana do TC

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Gênesis 6,5-8; 7,1-5.10

    5 O Senhor viu que havia crescido a maldade do homem na terra e como os projetos do seu coração tendiam sempre para o mal. 6 Então, o Senhor arrependeu-se de ter feito o homem na terra e ficou com o coração muito magoado, 7 e disse: “Vou exterminar da face da terra o homem que criei; e, com ele, os animais, os répteis e até as aves do céu, pois estou arrependido de os ter feito!” 8 Mas Noé encontrou graça aos olhos do Senhor. 7,1 O Senhor disse a Noé: “Entra na arca com toda a tua família, pois tu és o único homem justo que vejo no meio desta geração. 2 De todos os animais puros toma sete casais, machos e fêmeas, e dos animais impuros um casal, macho e fêmea. 3 Também das aves do céu tomarás sete casais, machos e fêmeas, para que suas espécies se conservem vivas sobre a face da terra. 4 Pois, dentro de sete dias, farei chover sobre a terra quarenta dias e quarenta noites e exterminarei da superfície da terra todos os seres vivos que fiz”. 5 Noé fez tudo o que o Senhor lhe havia ordenado. 10 E, passados os sete dias, caíram sobre a terra as águas do dilúvio.

    Palavra do Senhor.

    Sl 28(29)

    Que o Senhor abençoe, com a paz, o seu povo!

    Filhos de Deus, tributai ao Senhor, / tributai-lhe a glória e o poder! /
    Dai-lhe a glória devida ao seu nome; / adorai-o com santo ornamento! – R.

    Eis a voz do Senhor sobre as águas, / sua voz sobre as águas imensas! /
    Eis a voz do Senhor com poder! / Eis a voz do Senhor majestosa. – R.

    Sua voz no trovão reboando! / No seu templo, os fiéis bradam: “Glória!” /
    É o Senhor que domina os dilúvios, / o Senhor reinará para sempre! – R.

    Marcos 8,14-21

    Naquele tempo, 14 os discípulos tinham se esquecido de levar pães. Tinham consigo na barca apenas um pão. 15 Então Jesus os advertiu: “Prestai atenção e tomai cuidado com o fermento dos fariseus e com o fermento de Herodes”. 16 Os discípulos diziam entre si: “É porque não temos pão”. 17 Mas Jesus percebeu e perguntou-lhes: “Por que discutis sobre a falta de pão? Ainda não entendeis nem compreendeis? Vós tendes o coração endurecido? 18 Tendo olhos, vós não vedes e, tendo ouvidos, não ouvis? Não vos lembrais 19 de quando reparti cinco pães para cinco mil pessoas? Quantos cestos vós recolhestes cheios de pedaços?” Eles responderam: “Doze”. 20 Jesus perguntou: “E quando reparti sete pães com quatro mil pessoas, quantos cestos vós recolhestes cheios de pedaços?” Eles responderam: “Sete”. 21 Jesus disse: “E vós ainda não compreendeis?”

    Palavra da salvação.

    Confiar na providência divina

    Mc 8, 14-21

    “Tendo olhos, vós não vedes e, tendo ouvidos, não ouvis?” (Mc 8, 18)

    O Evangelho de hoje acontece logo após o milagre da segunda multiplicação de pães. Os discípulos ainda não entendem que estando com Jesus não passarão necessidade, pois se preocupam com o que irão comer.

    Jesus nos diz para tomarmos cuidado com o fermento dos fariseus e de Herodes. Esse fermento do qual Jesus se refere é a arrogância, a autossuficiência e a prepotência que fecham os nossos olhos e nos impedem de reconhecermos, em Deus, o verdadeiro provedor de nossos bens. Os fariseus julgavam saber uma verdade superior a de Cristo e por isso não o reconheciam como Filho de Deus.

    Assim como os apóstolos, também nós, muitas vezes não somos capazes de olhar o passado, reconhecer o quanto Deus realizou por nós. Confiamos mais em nossas forças que na grande bondade e providência de Deus.

    Que o Senhor nos conceda um coração grato para perceber sua ação salvadora em nossa história e aberto para acolhê-Lo em nosso presente e futuro. Assim seja!

    Paz e bem!

    Reflexão feita pelos noviços

  • 4ª feira da 6ª Semana do TC

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Gênesis 8,6-13.20-22

    6 Passados quarenta dias, Noé abriu a janela, que tinha feito na arca, e soltou um corvo, 7 que ficou revoando até que secassem as águas sobre a terra. 8 Soltou, também, uma pomba para ver se as águas tinham baixado sobre a face da terra. 9 Mas a pomba, não achando onde pousar, voltou para junto dele na arca; porque as águas ainda cobriam a superfície de toda a terra. Noé estendeu a mão para fora, apanhou a pomba e recolheu-a na arca. 10 Esperou, então, mais sete dias e soltou de novo a pomba. 11 Pela tardinha ela voltou e eis que trazia no bico um ramo de oliveira com as folhas verdes. Assim, Noé compreendeu que as águas tinham cessado de cobrir a terra. 12 Esperou ainda sete dias e soltou a pomba, que não voltou mais. 13 Foi no ano seiscentos e um da vida de Noé, no primeiro dia do primeiro mês, que as águas se retiraram da terra. Noé abriu o teto da arca, olhou e viu que toda a superfície da terra estava seca. 20 Então Noé construiu um altar ao Senhor e, tomando animais e aves de todas as espécies puras, ofereceu holocaustos sobre o altar. 21 O Senhor aspirou o agradável odor e disse consigo mesmo: “Nunca mais tornarei a amaldiçoar a terra por causa do homem, pois as inclinações do seu coração são más desde a juventude. Não tornarei, também, a ferir todos os seres vivos, como fiz. 22 Enquanto a terra durar, plantio e colheita, frio e calor, verão e inverno, dia e noite jamais hão de acabar”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 115(116B)

    Oferto ao Senhor um sacrifício de louvor.

    Que poderei retribuir ao Senhor Deus / por tudo aquilo que ele fez em meu favor? /
    Elevo o cálice da minha salvação, / invocando o nome santo do Senhor. – R.

    Vou cumprir minhas promessas ao Senhor / na presença de seu povo reunido. /
    É sentida por demais pelo Senhor / a morte de seus santos, seus amigos. – R.

    Vou cumprir minhas promessas ao Senhor / na presença de seu povo reunido; /
    nos átrios da casa do Senhor, / em teu meio, ó cidade de Sião! – R.

    Marcos 8,22-26

    Naquele tempo, 22 Jesus e seus discípulos chegaram a Betsaida. Algumas pessoas trouxeram-lhe um cego e pediram a Jesus que tocasse nele. 23 Jesus pegou o cego pela mão, levou-o para fora do povoado, cuspiu nos olhos dele, colocou as mãos sobre ele e perguntou: “Estás vendo alguma coisa?” 24 O homem levantou os olhos e disse: “Estou vendo os homens. Eles parecem árvores que andam”. 25 Então Jesus colocou de novo as mãos sobre os olhos dele, e ele passou a enxergar claramente. Ficou curado e enxergava todas as coisas com nitidez. 26 Jesus mandou o homem ir para casa e lhe disse: “Não entres no povoado!”

    Palavra da Salvação.

    Pedir a cura de nossa cegueira

    Mc 8, 22-26

    “Algumas pessoas trouxeram-lhe um cego e pediram a Jesus que tocasse nele.” (Mc 8,22)

    A liturgia de hoje deixa mais uma vez evidente aquela dinâmica que o Papa Francisco vem propondo à Igreja: a necessidade de sermos uma “Igreja em saída”, que vai ao encontro dos necessitados, pois Jesus sendo o caminho colocou-se ele mesmo a caminhar de cidade em cidade em missão. No Evangelho de hoje, Ele entra em Betsaida e lhe é apresentado um cego. Jesus cura-o restabelecendo sua visão. Na cena evangélica, o cego é apresentado sem nome para significar que, para além da cegueira física, existe a cegueira existencial ou espiritual da qual todos estamos propensos.

    A cegueira existencial ou espiritual refere-se ao modo de ver o mundo de forma limitada e usual.  Vemos os seres que constituem o Universo (os corpos celestes, a água, os animais, as plantas com suas flores e frutos, etc.), mas não vislumbramos neles as pegadas do Criador; refere-se principalmente ao coração que, fechado em si mesmo, não quer se abrir ao mistério do amor divino que se revela nas escrituras, na Eucaristia, na convivência fraterna e nos acontecimentos simples, mas significativos da nossa vida diária.

    Portanto, para ver de forma global e livre, é preciso ter coragem de sair das cadeias existenciais, dos labirintos, de todas as formas de alienação, para deixar-se tocar por Jesus e enxergar a realidade com o ocular da fé e não apenas com os sentidos físicos.

    Reflexão feita pelos noviços

  • 5ª feira da 6ª Semana do TC

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Gênesis 9,1-13

    1 Deus abençoou Noé e seus filhos, dizendo-lhes: “Sede fecundos, multiplicai-vos e enchei a terra. 2 Vós sereis objeto de medo e terror para todos os animais da terra, todas as aves do céu, tudo o que se move sobre a terra e todos os peixes do mar: eis que os entrego todos em vossas mãos. 3 Tudo o que vive e se move vos servirá de alimento. Entrego-vos tudo, como já vos dei os vegetais. 4 Contudo, não deveis comer carne com sangue, que é sua vida. 5 Da mesma forma, pedirei contas do vosso sangue, que é vida, a qualquer animal. E ao homem pedirei contas da vida do homem, seu irmão. 6 Quem derramar sangue humano, por mãos de homem terá seu sangue derramado, porque o homem foi feito à imagem de Deus. 7 Quanto a vós, sede fecundos e multiplicai-vos, enchei a terra e dominai-a”. 8 Disse Deus a Noé e a seus filhos: 9 “Eis que vou estabelecer minha aliança convosco e com vossa descendência, 10 com todos os seres vivos que estão convosco: aves, animais domésticos e selvagens, enfim, com todos os animais da terra, que saíram convosco da arca. 11 Estabeleço convosco a minha aliança: nenhuma criatura será mais exterminada pelas águas do dilúvio, e não haverá mais dilúvio para devastar a terra”. 12 E Deus disse: “Este é o sinal da aliança que coloco entre mim e vós, e todos os seres vivos que estão convosco, por todas as gerações futuras. 13 Ponho meu arco nas nuvens como sinal de aliança entre mim e a terra”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 101(102)

    O Senhor olhou a terra do alto céu.

    As nações respeitarão o vosso nome, / e os reis de toda a terra, a vossa glória; /
    quando o Senhor reconstruir Jerusalém / e aparecer com gloriosa majestade, /
    ele ouvirá a oração dos oprimidos / e não desprezará a sua prece. – R.

    Para as futuras gerações se escreva isto, / e um povo novo a ser criado louve a Deus. /
    Ele inclinou-se de seu templo nas alturas, / e o Senhor olhou a terra do alto céu, /
    para os gemidos dos cativos escutar / e da morte libertar os condenados. – R.

    Assim também a geração dos vossos servos † terá casa e viverá em segurança, /
    e ante vós se firmará sua descendência. / Para que cantem o seu nome em Sião / e louve ao Senhor Jerusalém, /
    quando os povos e as nações se reunirem / e todos os impérios o servirem. – R.

    Marcos 8,27-33

    Naquele tempo, 27 Jesus partiu com seus discípulos para os povoados de Cesareia de Filipe. No caminho perguntou aos discípulos: “Quem dizem os homens que eu sou?” 28 Eles responderam: “Alguns dizem que tu és João Batista; outros, que és Elias; outros, ainda, que és um dos profetas”. 29 Então ele perguntou: “E vós, quem dizeis que eu sou?” Pedro respondeu: “Tu és o Messias”. 30 Jesus proibiu-lhes severamente de falar a alguém a seu respeito. 31 Em seguida, começou a ensiná-los, dizendo que o Filho do homem devia sofrer muito, ser rejeitado pelos anciãos, pelos sumos sacerdotes e doutores da lei, devia ser morto e ressuscitar depois de três dias. 32 Ele dizia isso abertamente. Então Pedro tomou Jesus à parte e começou a repreendê-lo. 33 Jesus voltou-se, olhou para os discípulos e repreendeu a Pedro, dizendo: “Vai para longe de mim, satanás! Tu não pensas como Deus, e sim como os homens”.

    Palavra da salvação.

    Revelar o Cristo com nossa vida

    Mc 8, 27-33 

    “E vós, quem dizeis que eu sou?” (Mc 8,29)

    No Evangelho de hoje, Jesus questiona os discípulos, e como não poderia ser diferente, esse questionamento é também direcionado a cada um de nós.

    “E vós, quem dizeis que eu sou?” (Mc 8,29). Em nosso tempo, muitas são as vozes que se levantam para falar de Jesus, mas poucos realmente o conhecem, muitos o professam com a boca, gritam o seu nome aos quatro ventos, mas são incapazes de responder a pergunta de Nosso Senhor com a própria vida, com os seus atos.

    Só poderemos realmente dizer quem é o Cristo quando tivermos com Ele um profundo relacionamento, através da oração comunitária e particular, da meditação de sua Palavra e do serviço aos irmãos.

    Cultivemos nosso relacionamento com Jesus Cristo, aprofundemos nossa amizade com Ele para que nossa vida se torne reflexo de nossa fé e com atos possamos revelar a todos quem é o Cristo.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 6ª feira da 6ª Semana do TC

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    1 Pedro 5,1-4

    Caríssimos, 1 exorto aos presbíteros que estão entre vós, eu, presbítero como eles, testemunha dos sofrimentos de Cristo e participante da glória que será revelada: 2 sede pastores do rebanho de Deus, confiado a vós; cuidai dele não por coação, mas de coração generoso; não por torpe ganância, mas livremente; 3 não como dominadores daqueles que vos foram confiados, mas, antes, como modelos do rebanho. 4 Assim, quando aparecer o pastor supremo, recebereis a coroa permanente da glória.

    Palavra do Senhor.

    Sl 22(23)

    O Senhor é o pastor que me conduz, / não me falta coisa alguma.

    O Senhor é o pastor que me conduz; / não me falta coisa alguma. / Pelos prados e campinas verdejantes, /
    ele me leva a descansar. / Para as águas repousantes me encaminha / e restaura as minhas forças. – R.

    Ele me guia no caminho mais seguro, / pela honra do seu nome. / Mesmo que eu passe pelo vale tenebroso, /
    nenhum mal eu temerei. / Estais comigo com bastão e com cajado, / eles me dão a segurança! – R.

    Preparais à minha frente uma mesa, / bem à vista do inimigo; /
    com óleo vós ungis minha cabeça, / e o meu cálice transborda. – R.

    Felicidade e todo bem hão de seguir-me / por toda a minha vida; /
    e na casa do Senhor habitarei / pelos tempos infinitos. – R.

    Mateus 16,13-19

    Naquele tempo, 13 Jesus foi à região de Cesareia de Filipe e ali perguntou aos seus discípulos: “Quem dizem os homens ser o Filho do homem?” 14 Eles responderam: “Alguns dizem que é João Batista; outros, que é Elias; outros, ainda, que é Jeremias ou algum dos profetas”. 15 Então Jesus lhes perguntou: “E vós, quem dizeis que eu sou?” 16 Simão Pedro respondeu: “Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo”. 17 Respondendo, Jesus lhe disse: “Feliz és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi um ser humano que te revelou isso, mas o meu Pai que está no céu. 18 Por isso eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra construirei a minha Igreja, e o poder do inferno nunca poderá vencê-la. 19 Eu te darei as chaves do reino dos céus: tudo o que tu ligares na terra será ligado nos céus; tudo o que tu desligares na terra será desligado nos céus”.

    Palavra da Salvação.

    Deixemos somente nos levar pelo Espírito

    Mt 16,13-19

    “Feliz és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi um ser humano que te revelou isso, mas o meu Pai que está no céu” (Mt 16,17).

    Jesus, após perguntar aos seus discípulos sobre o que andam pela falando sobre sua identidade, dirige a pergunta para eles próprios. Por quê? Isto faz sentido para nós quando entendemos que Jesus queria saber se os seus discípulos não estava entrando na “onda” dos pensadores da época.

    O mesmo pode acontecer conosco. São tantas ideias, correntes de pensamentos e ideologias que podem nos fazer desviar da compreensão do Evangelho. Portanto, Pedro se precipita, talvez por medo de que alguns deles respondam ao contrário e diz: “Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo” (Mt 16,16).

    Esta profissão de fé de Pedro revela que é por meio de Deus Pai que reconhecemos Jesus como o Messias Salvador. E é por meio do Messias que reconhecemos a Deus como Pai.

    Pedro não se deixou levar pelo espírito secular e pelas correntes de pensamento que o circundavam em sua época, mas centralizou-se no essencial: Cristo, Filho de Deus. E é sobre esta firmeza, que não se deixa levar facilmente, que Cristo confia a sua Igreja e a Igreja somos nós. Somos continuadores do projeto Reino de Deus.

    Reflexão feita pelos noviços

  • Sábado da 6ª Semana do TC

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Hebreus 11,1-7

    Irmãos, 1 a fé é um modo de já possuir o que ainda se espera, a convicção acerca de realidades que não se veem. 2 Foi a fé que valeu aos antepassados um bom testemunho. 3 Foi pela fé que compreendemos que o universo foi organizado por uma palavra de Deus. Assim, as coisas visíveis provêm daquilo que não se vê. 4 Foi pela fé que Abel ofereceu a Deus um sacrifício melhor que o de Caim; e por causa dela, ele foi declarado justo, pois Deus aprovou a sua oferta. Graças a ela, mesmo depois de morto, Abel ainda fala! 5 Foi pela fé que Henoc foi arrebatado, para não ver a morte; e não mais foi encontrado, porque Deus o arrebatou. Antes de ser arrebatado, porém, recebeu o testemunho de que foi agradável a Deus. 6 Ora, sem a fé é impossível ser-lhe agradável, pois aquele que se aproxima de Deus deve crer que ele existe e que recompensa os que o procuram. 7 Foi pela fé que Noé, avisado divinamente daquilo que ainda não se via, levou a sério o oráculo e construiu uma arca para salvar a sua família. Pela fé, ele se separou do mundo, tornando-se herdeiro da justiça que se obtém pela fé.

    Palavra do Senhor.

    Sl 144(145)

    Bendirei o vosso nome pelos séculos, Senhor!

    Todos os dias haverei de bendizer-vos, / hei de louvar o vosso nome para sempre. /
    Grande é o Senhor e muito digno de louvores, / e ninguém pode medir sua grandeza. – R.

    Uma idade conta à outra vossas obras / e publica os vossos feitos poderosos; /
    proclamam todos o esplendor de vossa glória / e divulgam vossas obras portentosas! – R.

    Que vossas obras, ó Senhor, vos glorifiquem / e os vossos santos, com louvores, vos bendigam! /
    Narrem a glória e o esplendor do vosso reino / e saibam proclamar vosso poder! – R.

    Marcos 9,2-13

    Naquele tempo, 2 Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João e os levou sozinhos a um lugar à parte sobre uma alta montanha. E transfigurou-se diante deles. 3 Suas roupas ficaram brilhantes e tão brancas como nenhuma lavadeira sobre a terra poderia alvejar. 4 Apareceram-lhe Elias e Moisés e estavam conversando com Jesus. 5 Então Pedro tomou a palavra e disse a Jesus: “Mestre, é bom ficarmos aqui. Vamos fazer três tendas: uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias”. 6 Pedro não sabia o que dizer, pois estavam todos com muito medo. 7 Então desceu uma nuvem e os encobriu com sua sombra. E da nuvem saiu uma voz: “Este é o meu Filho amado. Escutai o que ele diz!” 8 E, de repente, olhando em volta, não viram mais ninguém, a não ser somente Jesus com eles. 9 Ao descerem da montanha, Jesus ordenou que não contassem a ninguém o que tinham visto, até que o Filho do homem tivesse ressuscitado dos mortos. 10 Eles observaram essa ordem, mas comentavam entre si o que queria dizer “ressuscitar dos mortos”. 11 Os três discípulos perguntaram a Jesus: “Por que os mestres da lei dizem que antes deve vir Elias?” 12 Jesus respondeu: “De fato, antes vem Elias, para colocar tudo em ordem. Mas como dizem as Escrituras que o Filho do homem deve sofrer muito e ser rejeitado? 13 Eu, porém, vos digo, Elias já veio, e fizeram com ele tudo o que quiseram, exatamente como as Escrituras falaram a respeito dele”.

    Palavra da Salvação.

    Cruz e Ressurreição

    Mc 9,2-13

    “Ao descerem da montanha, Jesus ordenou que não contassem a ninguém o que tinham visto” (Mc 9,9)

    No Evangelho de hoje, podemos perceber o pré-anuncio da ressurreição que Jesus apresenta a Pedro, Tiago e João ao subirem ao monte. A passagem da Transfiguração de Jesus é muito proveitosa, pois é também nossa fé na nossa transfiguração, pois naquele sagrado monte ouve-se a voz do Pai, que na comunhão com seu Filho nos revela um caminho que devemos trilhar.

    As aparições de Elias e Moisés conversando com Jesus é a união do Antigo e Novo Testamento. Assim como esses Profetas pregavam ao povo como vozes de Deus e os conduzia nos caminhos celestes, Jesus é continuação desse anúncio do Pai.

    Aos discípulos, fica uma grande incompreensão por terem a imagem do “Messias dominador”, “Rei Todo-Poderoso” igual ao modelo deste mundo, entretanto Jesus os proíbe de ter desta visão até que Ele ressuscite dos mortos. Todos compreenderão que o Messias é Rei Todo-Poderoso, mas na lógica celeste, onde é preciso sofrer numa cruz todas as humilhações mundanas, só entenderemos o Reino dos céus quando nos colocamos no humilde caminho do seguimento.

    Que possamos estar atentos e corajosos. Paz e Bem!

    Reflexão feita pelos noviços

  • 7º domingo do Tempo Comum

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • 2ª Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    1 Samuel 26,2.7-9.12-13.22-23

    Naqueles dias, 2 Saul pôs-se em marcha e desceu ao deserto de Zif. Vinha acompanhado de três mil homens, escolhidos de Israel, para procurar Davi no deserto de Zif. 7 Davi e Abisai dirigiram-se de noite até o acampamento e encontraram Saul deitado e dormindo no meio das barricadas, com a sua lança à cabeceira, fincada no chão. Abner e seus soldados dormiam ao redor dele. 8 Abisai disse a Davi: “Deus entregou hoje em tuas mãos o teu inimigo. Vou cravá-lo em terra com uma lançada, e não será preciso repetir o golpe”. 9 Mas Davi respondeu: “Não o mates! Pois quem poderia estender a mão contra o ungido do Senhor e ficar impune?” 12 Então Davi apanhou a lança e a bilha de água que estavam junto da cabeceira de Saul, e foram-se embora. Ninguém os viu, ninguém se deu conta de nada, ninguém despertou, pois todos dormiam um profundo sono que o Senhor lhes tinha enviado. 13 Davi atravessou para o outro lado, parou no alto do monte, ao longe, deixando um grande espaço entre eles. 22 E Davi disse: “Aqui está a lança do rei. Venha cá um dos teus servos buscá-la! 23 O Senhor retribuirá a cada um conforme a sua justiça e a sua fidelidade. Pois ele te havia entregue hoje em meu poder, mas eu não quis estender a minha mão contra o ungido do Senhor”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 102(103)

    O Senhor é bondoso e compassivo.

    Bendize, ó minha alma, ao Senhor, / e todo o meu ser, seu santo nome! /
    Bendize, ó minha alma, ao Senhor, / não te esqueças de nenhum de seus favores! – R.

    Pois ele te perdoa toda culpa / e cura toda a tua enfermidade; /
    da sepultura ele salva a tua vida / e te cerca de carinho e compaixão. – R.

    O Senhor é indulgente, é favorável, / é paciente, é bondoso e compassivo. /
    Não nos trata como exigem nossas faltas / nem nos pune em proporção às nossas culpas. – R.

    Quanto dista o nascente do poente, / tanto afasta para longe nossos crimes. /
    Como um pai se compadece de seus filhos, / o Senhor tem compaixão dos que o temem. – R.

    1 Coríntios 15,45-49

    Irmãos, 45 o primeiro homem, Adão, “foi um ser vivo”. O segundo Adão é um espírito vivificante. 46 Veio primeiro não o homem espiritual, mas o homem natural; depois é que veio o homem espiritual. 47 O primeiro homem, tirado da terra, é terrestre; o segundo homem vem do céu. 48 Como foi o homem terrestre, assim também são as pessoas terrestres; e como é o homem celeste, assim também vão ser as pessoas celestes. 49 E como já refletimos a imagem do homem terrestre, assim também refletiremos a imagem do homem celeste.

    Palavra do Senhor.

    Lucas 6,27-38

    Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 27 “A vós que me escutais, eu digo: amai os vossos inimigos e fazei o bem aos que vos odeiam, 28 bendizei os que vos amaldiçoam e rezai por aqueles que vos caluniam. 29 Se alguém te der uma bofetada numa face, oferece também a outra. Se alguém te tomar o manto, deixa-o levar também a túnica. 30 Dá a quem te pedir e, se alguém tirar o que é teu, não peças que o devolva. 31 O que vós desejais que os outros vos façam, fazei-o também vós a eles. 32 Se amais somente aqueles que vos amam, que recompensa tereis? Até os pecadores amam aqueles que os amam. 33 E se fazeis o bem somente aos que vos fazem o bem, que recompensa tereis? Até os pecadores fazem assim. 34 E se emprestais somente àqueles de quem esperais receber, que recompensa tereis? Até os pecadores emprestam aos pecadores, para receber de volta a mesma quantia. 35 Ao contrário, amai os vossos inimigos, fazei o bem e emprestai sem esperar coisa alguma em troca. Então, a vossa recompensa será grande, e sereis filhos do Altíssimo, porque Deus é bondoso também para com os ingratos e os maus. 36 Sede misericordiosos, como também o vosso Pai é misericordioso. 37 Não julgueis e não sereis julgados; não condeneis e não sereis condenados; perdoai e sereis perdoados. 38 Dai e vos será dado. Uma boa medida, calcada, sacudida, transbordante, será colocada no vosso colo; porque, com a mesma medida com que medirdes os outros, vós também sereis medidos”.

    Palavra da Salvação.

    Amar sem recompensa

    Lc 6,27-38

    “Com a mesma medida com que medirdes os outros, vós também sereis medidos” (Lc 6,38b)

    Vivemos um tempo marcado pelo ódio entre as pessoas. Vemos disputas por dinheiro, carreirismo e, infelizmente, esquece-se que somos todos filhos de Deus e, portanto, irmãos uns dos outros.

    No evangelho de hoje, Jesus nos desperta desta triste realidade. Não devemos viver em função de outra coisa a não ser do amor de Deus. Se se existe divisões, falta de amor, disputas, é porque não conseguimos ver Deus no outro, não conseguimos ver que o outro, mesmo me fazendo o mal, é uma criatura amada por Ele.

    Amar os inimigos é amar de coração, é não deixar que o rancor do outro crie em mim uma ferida. Quem ama o inimigo vive realmente a experiência de amar sem receber nada em troca.

    Que, iluminados por essa palavra, sirvamos também de luz para todos que, de alguma forma, convivem conosco. Que possamos ser dóceis ao espírito e amáveis, pois devemos ser para o outro imagem do Senhor.

    Paz e Bem.

    Reflexão feita pelos noviços

  • 2ª feira da 7ª Semana do TC

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Eclesiástico 1,1-10

    1 Toda sabedoria vem do Senhor Deus. Ela esteve e está sempre com ele. 2 Quem pode contar a areia do mar, as gotas de chuva, os dias do tempo? 3 Quem poderá medir a altura do céu, a extensão da terra, a profundeza do abismo? 4 Antes de todas as coisas foi criada a sabedoria, a inteligência prudente vem da eternidade. 5 Fonte da sabedoria é a palavra de Deus no mais alto dos céus, e seus caminhos são os mandamentos eternos. 6 A quem foi revelada a raiz da sabedoria? Quem conheceu as capacidades do seu engenho? 7 A ciência da sabedoria, a quem foi revelada? E quem compreendeu sua grande experiência? 8 Só um é o altíssimo, criador onipotente, rei poderoso e a quem muito se deve temer, assentado em seu trono e dominando tudo, Deus. 9 Ele é quem a criou no espírito santo: ele a viu, a enumerou e mediu; 10 ele a derramou sobre todas as suas obras e em cada ser humano, segundo a sua bondade. Ele a concede àqueles que o temem.

    Palavra do Senhor.

    Sl 92(93)

    Reina o Senhor, revestiu-se de esplendor!

    Deus é rei e se vestiu de majestade, / revestiu-se de poder e de esplendor! – R.

    Vós firmastes o universo inabalável, † vós firmastes vosso trono desde a origem, /
    desde sempre, ó Senhor, vós existis! – R.

    Verdadeiros são os vossos testemunhos, † refulge a santidade em vossa casa, /
    pelos séculos dos séculos, Senhor! – R.

    Marcos 9,14-29

    Naquele tempo, 14 descendo Jesus do monte com Pedro, Tiago e João e chegando perto dos outros discípulos, viram que estavam rodeados por uma grande multidão. Alguns mestres da lei estavam discutindo com eles. 15 Logo que a multidão viu Jesus, ficou surpresa e correu para saudá-lo. 16 Jesus perguntou aos discípulos: “O que discutis com eles?” 17 Alguém da multidão respondeu: “Mestre, eu trouxe a ti meu filho que tem um espírito mudo. 18 Cada vez que o espírito o ataca, joga-o no chão e ele começa a espumar, range os dentes e fica completamente rijo. Eu pedi aos teus discípulos para expulsarem o espírito. Mas eles não conseguiram”. 19 Jesus disse: “Ó geração incrédula! Até quando estarei convosco? Até quando terei que suportar-vos? Trazei aqui o menino”. 20 E levaram-lhe o menino. Quando o espírito viu Jesus, sacudiu violentamente o menino, que caiu no chão e começou a rolar e a espumar pela boca. 21 Jesus perguntou ao pai: “Desde quando ele está assim?” O pai respondeu: “Desde criança. 22 E muitas vezes o espírito já o lançou no fogo e na água para matá-lo. Se podes fazer alguma coisa, tem piedade de nós e ajuda-nos”. 23 Jesus disse: “Se podes!… Tudo é possível para quem tem fé”. 24 O pai do menino disse em alta voz: “Eu tenho fé, mas ajuda a minha falta de fé”. 25 Jesus viu que a multidão acorria para junto dele. Então ordenou ao espírito impuro: “Espírito mudo e surdo, eu te ordeno que saias do menino e nunca mais entres nele”. 26 O espírito sacudiu o menino com violência, deu um grito e saiu. O menino ficou como morto, e por isso todos diziam: “Ele morreu!” 27 Mas Jesus pegou a mão do menino, levantou-o e o menino ficou de pé. 28 Depois que Jesus entrou em casa, os discípulos lhe perguntaram a sós: “Por que nós não conseguimos expulsar o espírito?” 29 Jesus respondeu: “Essa espécie de demônios não pode ser expulsa de nenhum modo, a não ser pela oração”.

    Palavra da salvação.

    Creio em Deus Pai

    Mc 9, 14-29

    “Tudo é possível para quem tem fé” (Mc 9,22)

    No centro da cena e no meio da multidão alvoroçada, encontra-se um menino com sintomas de epilepsia. Ele simboliza o povo oprimido e desesperado. Recorrem aos discípulos para que o curem. Não conseguem; falta-lhes fé. Sentem-se impotentes diante do mal que aprisiona as pessoas. Jesus os recrimina: “Oh, geração incrédula! Até quando hei de suportar vocês?”. Recorrem a Jesus, a quem o pai conta o drama do menino. Mas também o pai, que representa a esperança da multidão, tem fé miúda: “Se podes fazer alguma coisa…”. Jesus reforça a lição sobre a fé: “Tudo é possível para quem crê”. Finalmente, Jesus ordena que o espírito surdo e mudo deixe a criança em paz. Aos discípulos decepcionados pela incapacidade de curar o menino, Jesus esclarece o motivo do fracasso: falta de fé e oração.

    Dia a dia com o Evangelho 2019 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp

  • 3ª feira da 7ª Semana do TC

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Eclesiástico 2,1-13

    1 Filho, se decidires servir o Senhor, permanece na justiça e no temor e prepara a tua alma para a provação. 2 Mantém o teu coração firme e sê constante, inclina teu ouvido e acolhe as palavras de inteligência, e não te assustes no momento da contrariedade. 3 Suporta as demoras de Deus, agarra-te a ele e não o deixes, para que sejas sábio em teus caminhos. 4 Tudo o que te acontecer, aceita-o, e sê constante na dor; e nas contrariedades de tua pobre condição, sê paciente. 5 Pois é no fogo que o ouro e a prata são provados e, no cadinho da humilhação, os homens agradáveis a Deus. 6 Crê em Deus, e ele cuidará de ti; endireita os teus caminhos e espera nele. Conserva o seu temor, e nele envelhecerás. 7 Vós que temeis o Senhor, contai com a sua misericórdia e não vos desvieis, para não cair. 8 Vós, que temeis o Senhor, confiai nele, e a recompensa não vos faltará. 9 Vós, que temeis o Senhor, esperai coisas boas: alegria duradoura e misericórdia. 10 Vós, que temeis o Senhor, amai-o, e vossos corações ficarão iluminados. 11 Considerai, filhos, as gerações passadas e vede: quem confiou no Senhor e ficou desiludido? 12 Quem permaneceu nos seus mandamentos e foi abandonado? Quem o invocou e foi por ele desprezado? 13 Pois o Senhor é compassivo e misericordioso, perdoa os pecados no tempo da tribulação e protege a todos os que o procuram com sinceridade.

    Palavra do Senhor.

    Sl 36(37)

    Entrega teu caminho ao Senhor, e o mais ele fará.

    Confia no Senhor e faze o bem, / e sobre a terra habitarás em segurança. /
    Coloca no Senhor tua alegria, / e ele dará o que pedir teu coração. – R.

    O Senhor cuida da vida dos honestos, / e sua herança permanece eternamente. /
    Não serão envergonhados nos maus dias, / mas, nos tempos de penúria, saciados. – R.

    Afasta-te do mal e faze o bem, / e terás tua morada para sempre. /
    Porque o Senhor Deus ama a justiça / e jamais ele abandona os seus amigos. /
    Os malfeitores hão de ser exterminados, / e a descendência dos malvados destruída. – R.

    A salvação dos piedosos vem de Deus; / ele os protege nos momentos de aflição. /
    O Senhor lhes dá ajuda e os liberta, † defende-os e protege-os contra os ímpios /
    e os guarda porque nele confiaram. – R.

    Marcos 9,30-37

    Naquele tempo, 30 Jesus e seus discípulos atravessavam a Galileia. Ele não queria que ninguém soubesse disso, 31 pois estava ensinando a seus discípulos. E dizia-lhes: “O Filho do homem vai ser entregue nas mãos dos homens, e eles o matarão. Mas, três dias após sua morte, ele ressuscitará”. 32 Os discípulos, porém, não compreendiam essas palavras e tinham medo de perguntar. 33 Eles chegaram a Cafarnaum. Estando em casa, Jesus perguntou-lhes: “O que discutíeis pelo caminho?” 34 Eles, porém, ficaram calados, pois pelo caminho tinham discutido quem era o maior. 35 Jesus sentou-se, chamou os doze e lhes disse: “Se alguém quiser ser o primeiro, que seja o último de todos e aquele que serve a todos!” 36 Em seguida, pegou uma criança, colocou-a no meio deles e, abraçando-a, disse: 37 “Quem acolher em meu nome uma destas crianças é a mim que estará acolhendo. E quem me acolher está acolhendo não a mim, mas àquele que me enviou”.

    Palavra da Salvação.

    Inspirados pelo exemplo de Jesus

    Mc 9, 30-37

    “Quem quiser ser o primeiro, deverá ser o último e ser aquele que serve a todos”. (Mc 9, 35b)

    Jesus é o mais perfeito servidor dos homens. De condição divina, desejou ser homem e nos dando a mais bela lição de humildade, lavou ou pés de seus discípulos. O maior dos homens foi servo, desde o lava-pés até a morte cruenta na cruz. O exemplo de Jesus é o mais claro espelho para a vida de um cristão. Quem segue os passos de Cristo, almeja somente a humildade e, mesmo sendo grande, faz-se servo.

    No dia a dia, por lucro, por status, por uma posição social, passamos por cima do Evangelho e do espelho de servo, que é Jesus. Desejamos ser grandes e nos equipararmos a Deus. Jesus nos chama a olhar para Ele, a voltar o nosso coração ao seu exemplo, que nunca desejou ser senão um servidor dos homens. O amor de Jesus o impelia ao serviço e é com esse mesmo amor que Ele nos convida a amar o outro, a servir quem nos cerca e precisa. Não salvaremos o mundo sozinhos, mas faremos parte de uma bonita reconstrução, feita pela caridade e o amor!

    Tenhamos os olhos fitos no coração de Jesus e que sua cruz nos inspire gestos de simplicidade e amor a cada dia!

    Paz e bem!

    Reflexão feita pelos noviços

  • 4ª feira da 7ª Semana do TC

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Eclesiástico 4,12-22)

    12 A sabedoria comunica a vida a seus filhos e acolhe os que a procuram. 13 Os que a amam, amam a vida; os que a procuram desde manhã cedo serão repletos de alegria pelo Senhor. 14 Quem a ela se apega herdará a glória; para onde for, Deus o abençoará. 15 Os que a veneram prestam culto ao santo; pois Deus ama os que a amam. 16 Quem a escutar julgará as nações; quem a ela se dedicar viverá em segurança. 17 Se alguém confiar nela, vai recebê-la em herança; e na sua posse continuarão seus descendentes. 18 No começo, ela o acompanha por caminhos contrários, 19 trazendo-lhe temor e tremor; começa a prová-lo com a sua disciplina, até que ele a tenha em seus pensamentos e nela deponha sua confiança. 20 Então voltará a ele em linha reta, o confirmará e lhe dará alegria, 21 lhe revelará os seus segredos e lhe dará o tesouro da ciência e da compreensão da justiça. 22 Se, porém, se desviar, ela o abandonará e o entregará às mãos de seu inimigo.

    Palavra do Senhor.

    Sl 118(119)

    Os que amam vossa lei têm grande paz!

    Os que amam vossa lei têm grande paz, /
    e não há nada que os faça tropeçar. – R.

    Serei fiel à vossa lei, vossa aliança; /
    os meus caminhos estão todos ante vós. – R.

    Que prorrompam os meus lábios em canções, /
    pois me fizestes conhecer vossa vontade! – R.

    Desejo a vossa salvação ardentemente /
    e encontro em vossa lei minhas delícias! – R.

    Possa eu viver e para sempre vos louvar; / e que me ajudem, ó Senhor, vossos conselhos! – R.

    Evangelho:

    Marcos 9,38-40

    Naquele tempo, 38 João disse a Jesus: “Mestre, vimos um homem expulsar demônios em teu nome. Mas nós o proibimos, porque ele não nos segue”. 39 Jesus disse: “Não o proibais, pois ninguém faz milagres em meu nome para depois falar mal de mim. 40 Quem não é contra nós é a nosso favor”.

    Palavra da salvação.

    Tolerância e diálogo

    Mc 9, 38-40 

    “Quem não é contra nós é a nosso favor” (Mc 9, 40)

    Jesus hoje dá uma lição a nós, ensinando-nos a termos tolerância. O fato de alguém confessar que não é cristão, isto é, discípulo de Jesus, não quer dizer que está contra Seu Projeto.

    A atitude de João é de ter um pouco de ciúme ao ver que alguém que não caminhava com Jesus estava operando milagres em seu nome. Jesus diz que: “Ninguém faz milagres em meu nome para depois falar mal de mim.”

    Devemos sempre estabelecer diálogo com todos independente se “está contra nós ou a nosso favor”. O diálogo servirá sempre para o conhecimento recíproco de toda a humanidade, mesmo que não cheguemos a acordos.

    O que deve contar é a misericórdia e as boas ações

    Reflexão feita pelos noviços

  • 5ª feira da 7ª Semana do TC

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Eclesiástico 5,1-10

    1 Não confies nas tuas riquezas e não digas: “Basta-me viver!” 2 Não deixes que tua força te leve a seguir as paixões do coração. 3 Não digas: “Quem terá poder sobre mim?” ou: “Quem me fará prestar contas das minhas ações?”, pois o Senhor, com certeza, te castigará. 4 Não digas: “Pequei, e que de mau me aconteceu?”, pois o Altíssimo é paciente. 5 Não percas o temor por causa do perdão, cometendo pecado sobre pecado. 6 Não digas: “A misericórdia do Senhor é grande, ele me perdoará a multidão dos meus pecados!”, 7 pois dele procedem misericórdia e cólera, e sua ira se abate sobre os pecadores. 8 Não demores em voltar para o Senhor e não adies de um dia para outro, 9 pois a sua cólera vem de repente e, no dia do castigo, serás aniquilado. 10 Não te apoies em riquezas injustas, pois elas de nada te valerão no dia da desgraça.

    Palavra do Senhor.

    Sl 1

    É feliz quem a Deus se confia!

    Feliz é todo aquele que não anda / conforme os conselhos dos perversos; /
    que não entra no caminho dos malvados / nem junto aos zombadores vai sentar-se; /
    mas encontra seu prazer na lei de Deus / e a medita, dia e noite, sem cessar. – R.

    Eis que ele é semelhante a uma árvore / que à beira da torrente está plantada; /
    ela sempre dá seus frutos a seu tempo, † e jamais as suas folhas vão murchar. /
    Eis que tudo o que ele faz vai prosperar. – R.

    Mas bem outra é a sorte dos perversos. † Ao contrário, são iguais à palha seca /
    espalhada e dispersada pelo vento. / Pois Deus vigia o caminho dos eleitos, /
    mas a estrada dos malvados leva à morte. – R.

    Marcos 9,41-50

    Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 41 “Quem vos der a beber um copo de água, porque sois de Cristo, não ficará sem receber a sua recompensa. 42 E se alguém escandalizar um destes pequeninos que creem, melhor seria que fosse jogado no mar com uma pedra de moinho amarrada ao pescoço. 43 Se tua mão te leva a pecar, corta-a! É melhor entrar na vida sem uma das mãos do que, tendo as duas, ir para o inferno, para o fogo que nunca se apaga.[44] 45 Se teu pé te leva a pecar, corta-o! É melhor entrar na vida sem um dos pés do que, tendo os dois, ser jogado no inferno.[46] 47 Se teu olho te leva a pecar, arranca-o! É melhor entrar no reino de Deus com um olho só do que, tendo os dois, ser jogado no inferno, 48 ‘onde o verme deles não morre e o fogo não se apaga’. 49 Pois todos hão de ser salgados pelo fogo. 50 Coisa boa é o sal. Mas se o sal se tornar insosso, com que lhe restituireis o tempero? Tende, pois, sal em vós mesmos e vivei em paz uns com os outros”.

    Palavra da Salvação.

    Dar testemunho em nossa vida

    Mc 9,41-50

    “Bom é o sal” (Mc 9, 49)

    Neste último dia do mês, Jesus nos apresenta algumas exigências muito importantes para o nosso dia a dia de cristão. Mesmo com pequenos gestos, ajudar os seus discípulos; evitar escândalos, principalmente aos pequenos, objetos de seu amor e benevolência; vigiar o olhar a fim de ser luz, e não trevas; e cumprir a missão de ser sal, ou seja, de trazer sabor e alegria à vida – mais do que isso! – de ajudar na preservação da vida! Não descuidemos de cumprir com o amor e fidelidade essas exigências.

    Por fim, Jesus coloca três pontos importantes que são: o acolhimento, o escândalo a ser evitado, e a missão ser sal. Quem acolhe um irmão é a Deus que acolhe, e quem evita escândalo torna-se sal e, assim dá testemunho de que é discípulo.

    Reflexão feita pelos noviços