Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

“Memória, profecia e projeto”, segundo Pe. Alfredo

09/11/2018

“A memória consiste em um tesouro onde não faltam as pegadas dos passos já percorridos. Recordações doentias de um paraíso perdido, ou lembranças fecundas, cheias de brilho e força. Toda crise pode nos levar ao colo mórbido da mãe, ao berço, ao choro, ao lamento – no sentido de nos infantilizar num saudosismo nocivo e estéril”, escreve Alfredo J. Gonçalves, cs, padre carlista e assessor das Pastorais Sociais. Artigo publicado no site http://www.ihu.unisinos.br

Eis o artigo:

Não é hora de lamentar. O lamento embaça a vista e obscurece o caminho. Ventos bravios varrem os céus do Brasil, é verdade, mas sua força pode ser canalizada como energia construtiva. Nuvens sombrias se adensam para a tormenta, mas a luz e o calor do sol, após a tempestade, faz crescer brotos de esperança. Depois do inverno, a primavera renova e reaviva a paisagem e o horizonte. Em vez disso, é tempo de extrair pérolas do tesouro do passado (remoto e recente), firmar os pés no chão embrutecido do presente e fixar os olhos nas veredas abertas ao futuro. Memória e projeto constituem, simultaneamente, desafio e prospectiva. Ilustra bem a imagem do motorista que se senta ao volante de um automóvel. Primeiro, uma rápida olhada ao espelho retrovisor. Depois, e só depois, pé firme e confiante no acelerador. Um pequeno momento de reflexão, para retomar com mais vigor a caminhada.

Da mesma forma que o coração humano, a memória é uma caixa de surpresas. Espaço desprovido de lugar preciso, terra selvagem, desconhecido e em parte inconsciente. Terreno ignoto, às vezes perigoso, mas que, a cada esquina, reserva uma novidade. Que tipo de surpresa ou novidade? Sonho ou pesadelo? Fantasma que assusta ou ferramenta familiar e que pode ser manipulada? Aqui está o desafio: tomar nas mãos o passado, como um metal bruto, e com ele forjar algo inovador e positivo. O que podemos identificar em nossa memória recente e remota como matéria prima a ser reaproveitada e reapropriada? Que pedras preciosas nos hão de servir para a construção do edifício chamado “Brasil que queremos”?

Nem será necessário cavar tão fundo no terreno da história. A experiência das comunidades eclesiais de base (CEBs), das pastorais sociais, da Teologia da Libertação (TdL), da “opção preferencial pelos pobres” e do envolvimentos das Conferências Episcopais e de numerosos pastores; a força dos movimentos populares, trabalhistas, estudantis ou do sindicalismo combativo; as múltiplas e variadas organizações de base, o paio das entidades, das ONGs e das igrejas do CONIC; as marchas, campanhas, gritos, plebiscitos e mobilizações em geral; os debates em torno das Semanas Sociais Brasileiras; o incansável movimento das mulheres, dos defensores do meio ambiente e dos direitos humanos; as pesquisas, análises e estudos dos intelectuais e acadêmicos em graus e disciplinas distintas; a lembrança dos profetas e mártires da América Latina, como São Oscar Arnulfo Romero; a luta dos afro-brasileiros, dos quilombolas, dos indígenas e de tantas outras minorias… Mas o elenco das forças vivas e ativas deste continente é muito mais expressivo do que podemos sequer imaginar. Terras saqueadas e exploradas, mas não vencidas. Povo que sofre, sonha e luta, mas sempre ao som da música, ao embalo da dança, e sem se deixar abater.

Além de instrumentos e ferramentas, porém, a memória nos faz retomar os métodos e modelos utilizados. Quem não se lembra, por exemplo, das visitas de casa em casa, de família em família, da preocupação pelos doentes e indefesos, pelos os pobres e excluídos? Das reuniões por rua, bairro, prédio, condomínio, ou por categoria, idade ou expressão cultural? Dos círculos bíblicos, encontros em que a Palavra de Deus iluminava a realidade e esta, por sua vez, dava novo sabor e interpretação à Bíblia? Depois, à luz da Palavra e com os pés no chão, como se passava às ações concretas pela transformação das estruturas injustas e assimétricas? E a presença teimosa e persistente nas comunidades rurais e urbanas, nas periferias e cortiços, nas ruas e associações – ou seja, nos porões escuros e esquecidos da sociedade? Como esquecer a expressão que se encontra na ponta da língua de tantos agentes e militantes, “o trabalho de formiguinha”? E como deixar de lado o direito à greve no campo e na cidade?…

A memória consiste em um tesouro onde não faltam as pegadas dos passos já percorridos. Recordações doentias de um paraíso perdido, ou lembranças fecundas, cheias de brilho e força. Toda crise pode nos levar ao colo mórbido da mãe, ao berço, ao choro, ao lamento – no sentido de nos infantilizar num saudosismo nocivo e estéril. Mas pode nos fazer descobrir as ferramentas mais afiadas de nossa resistência, luta, profecia e solidariedade – servindo para fortalecer e consolidar um projeto alternativo. Não um porto final e de chegada, onde estacionar a embarcação; mas um porto seguro e de partida, cujo farol possa orientar esta gigantesca nave Brasil, conduzindo-a no rumo de uma cidadania plural e solidária, justa e fraterna, igualitária e sustentável. “O desenvolvimento integral é o novo nome da paz” – poder-se-ia concluir com a Carta Encíclica Populorum Progressio, publicada em 1967 por São Paulo VI.

Download WordPress Themes Free
Premium WordPress Themes Download
Free Download WordPress Themes
Download Best WordPress Themes Free Download
udemy free download
download lava firmware
Download Nulled WordPress Themes
online free course

Conteúdo Relacionado

  • Presença "O que me fascinava em Francisco era algo único. Único e universal ao mesmo tempo. Ele […]Leia Mais
  • Cultura "Para Francisco, não há, de um lado, a beleza do mundo, o Sol, a luz e, de outro, os […]Leia Mais
  • Natal NATAL O NASCIMENTO DO SENHOR "Glória a Deus no mais alto dos céus, e paz na terra aos […]Leia Mais